Mostra da Laranja de Silves também é festa da inovação

Câmara quer que a Mostra Silves Capital da Laranja também sirva para ajudar os produtores a enfrentar os problemas com que se debatem

Foto: Hugo Rodrigues|Sul Informação

É uma festa que celebra um dos produtos mais emblemáticos do concelho e da região, mas não só. A Mostra Silves Capital da Laranja voltou a juntar os produtores deste citrino num mesmo espaço e não esqueceu a inovação e o conhecimento, que têm ajudado o setor a evoluir.

Durante três dias, a Câmara de Silves juntou citricultores, produtores de vinho, empresários de outras áreas, artesãos, técnicos e membros da academia na Fissul, para dar a conhecer não só os citrinos, mas os diferentes produtos locais.

«Esta mostra pretende dar uma maior relevância ao que se faz no concelho, uma vez que nós representamos uma fatia considerável do bolo da produção total de citrinos, no Algarve», enquadrou a presidente da Câmara Rosa Palma.

Esta era uma festa que já antes existia, mas que acabou por decair, após vários problemas ligados à própria produção de citrinos.

«Quanto a reerguemos, há três anos, quisemos dar-lhe um destaque diferente. Assim, chamámos-lhe “mostra” e com ela pretendemos que os produtores possam apreender algumas novas formas de cuidar dos seus citrinos, com tecnologia avançada, com novos fitofármacos, para melhor fazer face às adversidades», explicou a edil silvense.

Ou seja, a autarquia quer que «os produtores sintam que têm no município um parceiro na resolução dos seus problemas».

 

 

«Está-se a assistir a uma evolução extraordinária no setor dos citrinos, no Algarve. Desde logo, porque os produtores foram capazes de perceber que, investindo, certamente seriam protagonistas no mercado nacional e capazes de vender lá para fora», ilustrou Miguel Freitas, secretário de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural, que esteve na inauguração da mostra.

O membro do Governo lembrou que o setor citrícola nacional foi afetado por uma forte crise, que levou a que, entre 2003 e 2009, tenha havido uma «redução drástica» da área cultivada «dos 19 para os 11,5 mil hectares».

«Nos últimos anos, houve uma nova vaga de investimento e temos hoje 16 mil hectares de área cultivada com citrinos. Mas produzimos hoje 340 mil toneladas por ano, quando em 2003, com mais área, produzíamos 240 mil toneladas», enquadrou Miguel Freitas.

É precisamente esta evolução do setor, mais precisamente o «seu dinamismo e vitalidade», que esteve bem patente na Mostra Silves Capital da Laranja, considerou o diretor regional de Agricultura e Pescas.

«Os produtores têm feito um esforço significativo para crescer e inovar e estes eventos são importantes para mostrar o que de bom está a ser feito no Algarve, no que ao setor primário diz respeito», acrescentou Pedro Valadas Monteiro.

Tendo em conta a importância que a inovação teve para a recuperação do setor, a Mostra da Laranja de Silves contou também com seminários técnicos, onde estiveram em foco os mais diversos temas, desde as alterações climáticas, às doenças que afetam os citrinos.

 

 

Ainda assim, a Câmara de Silves fez questão de não deixar «o resto de fora, ou seja, o território em si». Assim, foram destacados nesta feira «os produtos que vêm dos citrinos e não só, para que quem nos venha visitar os possa desfrutar».

Afinal, outro dos desígnios das entidades públicas, a nível regional, mas também do Governo, é que haja «uma relação sólida entre o setor dos citrinos e o turismo», nas palavras de Miguel Freitas.

A ideia é, não só, levar os citrinos do Algarve até às unidades hoteleiras do Algarve, mas também trazer os turistas até junto dos produtores e da produção.

Aqui, a Rota da Laranja terá um papel importante. «Em breve se ouvirá falar mais ainda desta rota. Não quisemos que a sua apresentação tirasse protagonismo à mostra, por isso vamos fazê-lo num momento próprio», explicou Rosa Palma.

Esta rota, que «já existe», mas que ainda não tem data para ser lançada – embora «esteja próxima» -, «vai aliar a produção, a transformação e os próprios locais onde estas acontecem, da serra ao mar».

No sábado, quem fez questão de visitar Silves e provar as suas laranjas (e não só), foi o Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa.

 

Fotos: Hugo Rodrigues|Sul Informação

Comentários

pub
pub