Centenário do fim da I Guerra, da gripe pneumónica e do Sanatório de São Brás junta saúde e cultura

Há 100 anos, terminava a Primeira Guerra Mundial, a gripe pneumónica (ou espanhola) dizimava a população europeia e, em São […]

Foto de arquivo

Há 100 anos, terminava a Primeira Guerra Mundial, a gripe pneumónica (ou espanhola) dizimava a população europeia e, em São Brás de Alportel, era inaugurado o Sanatório Carlos Vasconcelos Porto, para tratar doenças respiratórias. Em 2018, estes acontecimentos vão ser recordados no ciclo de conferências “Saúde e Cultura”, que vai começar em Abril e se prolonga até Novembro.

O ciclo, composto por quatro conferências e uma exposição, é promovido em conjunto pela Direção Regional de Cultura do Algarve, pela Administração Regional de Saúde, pela Universidade do Algarve e pelo Município de São Brás de Alportel, que assinaram, esta quinta-feira, o protocolo para a criação desta aliança «inovadora» entre saúde e cultura.

Paulo Morgado, Alexandra Gonçalves, Saúl de Jesus e Vítor Guerreiro

Alexandra Gonçalves, diretora regional de Cultura, explicou aos jornalistas que este ciclo de conferências quer «dar a conhecer a história, para que não se repitam erros do passado, e procurar pistas para enfrentar questões que nos possam afetar no futuro».

Segundo a responsável, há particularidades sobre estes três eventos históricos que não são conhecidas e que interessa revelar à população. Por exemplo, «há trabalhos interessantes que dizem que a guerra terá acabado mais cedo, porque a pneumónica afetou a população de tal forma que foi necessário regressar para tratar os doentes».

Paulo Morgado, presidente da ARS Algarve, realça que a gripe pneumónica foi a «maior pandemia conhecida, estimando-se que 100 milhões de pessoas morreram por causa de uma gripe. Voltarmos a recordar uma situação que teve um impacto tão grande na sociedade, como a gripe espanhola, numa altura que tanto se discute a vacinação, faz pensar que hoje temos armas para prevenir estas doenças evitáveis e reduzir o seu impacto».

Aprender com o passado, para pespetivar o futuro, foi também o objetivo destas conferências destacado por Saúl Neves de Jesus, vice-reitor da Universidade do Algarve. «Esperamos contribuir para esta reflexão e aprendizagem, que fazemos sempre que recordamos o passado e que nos ajuda a perspetivar o futuro», disse.

Dos três eventos históricos destacados neste ciclo, o único que assume contornos de comemoração é o da inauguração do Sanatório Carlos Vasconcelos Porto, em São Brás de Alportel, «um equipamento determinante para o concelho na área da saúde, mas também na área social e económica», segundo lembrou Vítor Guerreiro, presidente da Câmara de São Brás de Alportel.

A Administração Geral dos Caminhos de Ferro do Estado construiu este sanatório para albergar os funcionários e as suas famílias, que sofriam de tuberculose, «não porque tivéssemos ligação aos caminhos de ferro, mas porque São Brás tinha boas características naturais do ar. Bastava que as pessoas estivessem bem alimentadas, a receber cuidados e a respirar o ar puro da Serra do Caldeirão, para se curarem das doenças do foro respiratório», contou.

Por isso, para o autarca, «assinalar 100 anos deste marco é uma grande satisfação, estamos a assinalar algo muito importante».

No que ao futuro diz respeito, Vítor Guerreiro aproveitou para lembrar que, onde funcionou o sanatório, funciona atualmente o Centro de Medicina e Reabilitação do Sul, que luta contra a falta de profissionais. O autarca disse esperar que, «dentro de pouco tempo, se ultrapassem os constrangimentos» e que «até possa ser colocado no concurso para contratação de profissionais que estes ganham anos de vida por estarem a respirar ar puro em São Brás de Alportel», gracejou.

A primeira conferência, marcada para o dia 13 de Abril, no auditório do Hospital de Faro, vai abordar a gripe pneumónica e terá, entre outros palestrantes, a participação de Francisco George, ex-diretor geral de Saúde.

Já o segundo momento do ciclo acontece a 30 de Maio, no auditório da Direção Regional de Cultura, com um seminário sobre “Instituições e Património Arquitetónico: um século de arquitetura hospitalar no Algarve”.

A única exposição do ciclo, “Espaços e personalidades ligadas à saúde no concelho de São Brás de Alportel”, tem inauguração marcada para o dia 1 de Junho, no Museu do Traje de São Brás.

No mesmo local, no dia 8 de Setembro, comemora-se o centenário do sanatório Carlos Vasconcelos Porto com mais uma conferência, onde já está confirmada a presença do historiador Fernando Rosas.

A última das conferências está marcada para a Universidade do Algarve e será sobre o “Fim da I Guerra Mundial”. Neste caso, Vilhena Mesquita é um dos oradores.

Comentários

pub
pub