Empresa Águas do Algarve mostra o que faz e projeta o futuro em encontro internacional

O que é o ciclo urbano da água? Todas as pessoas sabem que o simples ato de abrir uma torneira […]

O que é o ciclo urbano da água? Todas as pessoas sabem que o simples ato de abrir uma torneira requer um conjunto de etapas prévias? E as grandes metas do futuro, quais são? O que é que vai ser preciso mudar para nos adaptarmos às alterações climáticas?

Este extenso rol de perguntas é a base daquilo que vai ser o encontro “Desafios da Água”, promovido pela empresa Águas do Algarve, e a realizar-se nos dias 1 e 2 de Março, na Herdade dos Salgados, em Albufeira.

A iniciativa é pioneira, pois esta é a primeira vez que qualquer empresa do grupo Águas de Portugal organiza um evento desta envergadura. É que, pelo Algarve, vão passar tanto especialistas nacionais, como internacionais, para um evento que também tem o tema da educação ambiental como uma das suas bandeiras.

Além disto, os “Desafios da Água” querem pôr em debate dois grandes temas: o ciclo urbano da água e as alterações climáticas.

«Nós [Águas do Algarve] achámos que tínhamos o direito e a obrigação de mostrar o que somos, o que fazemos e quais são as nossas grandes metas para o futuro», explicou Isabel Soares, administradora-delegada da Águas do Algarve, em entrevista ao Sul Informação. 

No Palácio dos Congressos da Herdade dos Salgados, haverá tanto sessões técnicas, sobre as origens da água ou acerca da comunicação e educação ambiental, como mesas redondas, que vão abordar a reutilização e a adaptação às alterações climáticas, com a seca a ser uma das questões em debate.

Isabel Soares

Só que, como este evento quer «chegar a todos», as iniciativas não se esgotam na área mais técnica. Por isso, os “Desafios da Água” vão ter «cerca de 1200 metros quadrados destinados a oficinas».

«Vão ser 20 espaços onde as crianças, mas também os jovens e os adultos, podem passar e ter um contacto direto de como funciona esta empresa. A ideia é terem a possibilidade de ver como se capta a água ou como se faz a adução [transporte da água]. Para isso, vão ser criadas maquetes, onde tudo poderá ser visto e manuseado», disse Isabel Soares.

Nestas oficinas, também se vai simular a chegada da água aos reservatórios municipais. E, para que tudo corra bem, haverá técnicos da Águas do Algarve a ajudar todos os interessados.

Para Teresa Fernandes, responsável pela Comunicação e Educação Ambiental da Águas do Algarve, a ideia é mesmo que a discussão vá «além da parte técnica das sessões».

É que outro dos objetivos deste encontro passa pela educação ambiental. Como tal, está a decorrer um concurso para escolas, até Fevereiro, com o ciclo urbano da água como tema.

«É pelos mais novos que se começa a sensibilização. As crianças transmitem aos familiares aquilo que aprendem. Por isso, a educação ambiental tem um peso muito grande», considerou Isabel Soares, ela própria com largos anos de experiência como professora.

Este concurso abrange todos os anos do ensino escolar obrigatório. Do 1º ao 3º ciclo, os trabalhos são mais direcionados para as artes plásticas. Já para o ensino secundário, a ideia é que seja algo ligado com multimédia, podendo também ser submetidos a concurso vídeos.

Para os vencedores, que serão conhecidos neste encontro, há prémios… e bem especiais. O vencedor do 1º ciclo terá como prémio um relógio de sol a ser construído no exterior da escola num local visível.

Teresa Fernandes

Para o 2º e 3º ciclos, o prémio será uma estação meteorológica, para que os alunos, durante as aulas de Ciências ou Geografia, a possam utilizar. Por fim, para o Secundário, os prémios são uma câmara de vídeo e um projetor.

Os trabalhos devem ser entregues na sede da Águas do Algarve (Rua do Repouso, 10 – 8000-302 Faro) ou enviados por e-mail para desafiosdaagua.ada@adp.pt, até ao dia 16 de Fevereiro próximo.

«Queremos deixar uma marca e que o prémio não seja apenas um certificado ou uma taça, mas um conjunto de aparelhos úteis que perdurem ao longo do tempo», resumiu Isabel Soares.

Já no que toca à parte mais técnica do encontro, haverá exposições de empresas, mostrando projetos e produtos, alguns inovadores, assim como debates, que a administradora da Águas do Algarve acredita que «vão ser muito enriquecedores».

Por exemplo, será abordada a questão das perdas de água. «Os municípios ainda têm grandes perdas de água e este será um momento de sensibilização. Vamos discutir ideias», disse Isabel Soares.

Também a temática da energia vai estar em debate, estando confirmada a presença de representantes do setor energético.

«Este tipo de iniciativas também serve para, internamente, haver partilha de conhecimentos entre os nossos técnicos. Nós vamos ganhar com esta troca de experiências», acrescentou aquela responsável.

O investimento para estes “Desafios da Água” é de cerca de 100 mil euros, sobretudo na conceção das maquetes que vão ser, depois, reutilizadas quando houver visitas de escolas às Estações de Tratamento de Água ou Estações de Tratamento de Água e Resíduos da empresa Águas do Algarve.

«Tudo o que se vai fazer é pelo uso eficiente da água e por uma sensibilização para todas as faixas etárias sobre esta temática», concluiu Isabel Soares.

Comentários

pub
pub