Rocha Pacheco quer continuar o «excelente trabalho» de Cortes Lopes na Zona Marítima do Sul

Aumento da utilização do mar e do domínio público marítimo é desafio para o novo comandante da Zona Marítima do Sul

Rocha Pacheco é, desde esta quinta-feira, 10 de Outubro, o novo comandante da Zona Marítima do Sul, substituindo Cortes Lopes, que esteve no cargo ao longo dos últimos três anos.

Além do cargo de chefe do Departamento Marítimo do Sul, Fernando Rocha Pacheco assumiu, numa cerimónia realizada em Faro, os cargos de Capitão do Porto de Faro,  Comandante Regional do Sul da Polícia Marítima, Comandante Local da Polícia Marítima de Faro e Diretor do Museu Marítimo Almirante Ramalho Ortigão.

Aos jornalistas, Rocha Pacheco definiu como objetivos nas novas funções «assegurar de forma competente, transparente, isenta e rigorosa a segurança, a preservação dos recursos e o bem estar não só da população local, mas também da internacional, que usufrui do espaço da região algarvia, quer no mar, quer no domínio público marítimo».

 

 

O aumento da pressão sobre a costa será um dos principais desafios que Rocha Pacheco espera enfrentar, tendo em conta que «a procura da vertente marítimo-turística e do turismo é crescente. O mar é cada vez mais usado, o domínio público marítimo é cada vez mais usado e é preciso garantir condições de segurança e preservação da natureza para fazer face a essa crescente afluência, principalmente nas alturas de Verão».

Isso, segundo o novo responsável da Zona Marítima do Sul, «requer mais esforço da nossa parte, mas com os meios humanos e materiais de que dispomos, vamos dar resposta a essas dificuldades».

Se Rocha Pacheco está de chegada, Cortes Lopes deixou o cargo e, na hora da despedida, foram muitos os elogios para o trabalho que desenvolveu ao longo dos últimos três anos.

O comandante cessante foi mesmo distinguido na cerimónia que foi presidida pelo vice-almirante Sousa Pereira, diretor-geral da Autoridade Marítima e Comandante Geral da Polícia Marítima, e pelo vice-almirante Gouveia e Melo, Comandante Naval.

 

 

Rocha Pacheco deixou elogios a Cortes Lopes, que «desempenhou o cargo de forma ativa, lançou projetos e protocolos que interessa dar continuidade e terminar. Por isso, proponho-me a continuar o excelente trabalho que foi iniciado em benefício daquilo que é a missão da Marinha e da Autoridade Marítima».

Por seu lado, Cortes Lopes, em jeito de balanço do seu comando, considerou que os últimos três anos «foram uma experiência de vida única. Foi como nascer de novo, com operações reais todos os dias. As competências na Autoridade Marítima e na Marinha obrigam a uma dedicação constante. Todos os dias no Algarve acontecem coisas e todos os dias é necessário tomar decisões que afetam a vida das pessoas quer no âmbito administrativo, quer na resposta a acidentes e nas operações de socorro. Foram três anos muito intensos, mas uma grande experiência de vida».

Cortes Lopes considera que, nos últimos anos, «foram desenvolvidos projetos que podem melhorar as capacidades de resposta da Autoridade Marítima no futuro».

 

 

Como exemplos, o comandante cessante elencou a futura melhoria das «condições para sair para o mar a partir da ria, em Faro. Vamos ter o cais flutuante da Ria Formosa. Neste momento, temos de sair da doca de recreio o que faz com que, devido à maré e à ponte ferroviária, não possamos sair com todas as embarcações a toda a hora. Este é um constrangimento na emergência e no socorro, inclusivamente numa eventual amaragem de aeronave nos sapais da ria, que esperamos que nunca aconteça».

Além disso, Cortes Lopes destacou também a «criação da Estação Salva Vidas em Quarteira. Quarteira tem uma grande comunidade de pesca e, entre Olhão e Ferragudo, há uma grande distância. Julgo que, até final do ano, será inaugurada. Com o apoio da Câmara de Loulé, melhorámos bastante capacidade de resposta para situações emergência e socorro».

Também o «Posto Marítimo, que será criado em Quarteira, permitirá outro tipo de policiamento e uma presença mais constante. Atualmente, entre Faro e Quarteira demoramos meia hora e isso pode ser demasiado tempo para qualquer socorro».

Sobre os desafios que Rocha Pacheco irá encontrar, Cortes Lopes concorda com o seu sucessor. «O crescimento da atividade económica vai fazer com que exista mais atenção e maior preocupação. Mais embarcações no mar levantam mais questões de segurança, mais questões ambientais. Este é um trabalho que nunca termina», concluiu.

 

Veja as imagens da cerimónia:


Fotos
: Nuno Costa|Sul Informação

Comentários

pub
pub