Olhão adjudica obras de requalificação dos jardins da zona ribeirinha

A obra vai custar cerca de 1,75 milhões de euros

A obra de requalificação dos jardins da zona ribeirinha de Olhão, junto aos Mercados Municipais, já foi adjudicada e irá custar à Câmara 1,75 milhões de euros, um valor acima do que estava inicialmente previsto, mas, ainda assim, abaixo do teto máximo do mais recente concurso público.

Depois de um primeiro procedimento concursal ter ficado deserto, a autarquia olhanense viu-se obrigada a aumentar para 2,4 milhões de euros o valor base da obra de renovação dos jardins Patrão Joaquim Lopes e Pescador Olhanense, a Nascente e Poente dos Mercados, respetivamente. As novas condições revelaram-se bem mais atrativas, segundo disse ao Sul Informação António Miguel Pina, presidente da Câmara de Olhão.

«Houve três concorrentes ao segundo concurso que lançámos e já foi escolhido o vencedor, a empresa que fez a proposta com o valor mais baixo, de cerca de 1,75 milhões de euros», contou António Pina.

Entretanto, já fechou o período reservado a reclamações, sem que nenhum dos demais concorrentes tenha contestado o resultado do concurso.

A obra irá avançar «assim que obtivermos o visto do Tribunal de Contas», o que António Pina espera que seja «dentro em breve», embora não arrisque um prazo concreto. «Esta semana vamos assinar o contrato com a empresa vencedora, para depois enviarmos tudo para o Tribunal de Contas», resumiu o edil olhanense.

 

Veja neste vídeo como vai ficar a zona ribeirinha de Olhão:

 

António Miguel Pina disse, ainda, que, neste caso – e ao contrário do que se passou com as obras da Avenida 5 de Outubro, junto à qual ficam os dois jardins a ser requalificados -, a obra poderá começar em qualquer altura do ano, não sendo «preciso parar no Verão».

Assim, dentro de pouco tempo poderá ter início uma intervenção que, segundo a Câmara, vai revolucionar a zona ribeirinha da cidade de Olhão, embora sem esquecer o passado.

Os projetos que serão alvo de novo concurso preconizam uma intervenção que privilegia a ligação à Ria Formosa, através, por exemplo, da retirada do murete hoje existente.

Serão, inclusivamente, criadas estruturas no atual passeio ribeirinho que se projetam sobre a ria, duas no lado Poente (Pescador Olhanense) e outra no lado Nascente, como continuidade do monumento ao Patrão Joaquim Lopes, que dá nome ao jardim. Já o posto de combustível vai desaparecer.

Para realizar a obra, a Câmara de Olhão garantiu financiamento do Fundo Ambiental, no valor de um milhão de euros.

 

 

Comentários

pub
pub