O bom Contrabando regressa a Alcoutim

Festival do Contrabando vai traficar artes no Guadiana de 29 a 31 de Março

É Contrabando, mas daquele que faz ministros das Finanças felizes e secretários de Estado dançar. O Festival do Contrabando volta a traficar cultura, artes de rua e muita animação entre Alcoutim e Sanlúcar de Guadiana, de 29 a 31 de Março, e a dar a oportunidade a todos de atravessar o rio, a pé, graças a uma ponte pedonal temporária.

Ao longo dos três dias em que dura o evento, haverá animação de rua, com recriações históricas que lembrarão o tempo – não tão longínquo – em que o Guadiana era uma muralha, não uma passagem.

Agora, todos são convidados a passar livremente a fronteira, sem ter de se preocupar com a Guarda Fiscal ou com os Carabineiros.

De um lado do outro da fronteira há muita coisa a acontecer, desde artes de rua a divertimentos para os mais novos, passando por tasquinhas de comida e, claro, bancas com muito artesanato e produtos locais.

Osvaldo Gonçalves, presidente da Câmara de Alcoutim, que organiza o evento, explicou ao Sul Informação que, apesar deste festival ser já uma referência em Portugal e em Espanha e um evento âncora para este concelho do Nordeste Algarvio e para a vizinha espanhola Sanlúcar, o município faz questão de o manter o mais tradicional possível.

«Ao nível do que tem sido a nossa experiência, as melhorias que vamos sempre tentando introduzir a cada nova edição têm a ver, sobretudo, com a questão da parte da restauração, da disposição das lojinhas, sempre com a preocupação de nunca perder a identidade o evento», explicou Osvaldo Gonçalves.

«Nós acarinhamos o Festival do Contrabando como algo nosso, um evento âncora do concelho, e tivemos sempre a preocupação de, nesta necessidade de crescer, para dar resposta à grande procura, não perder essa identidade», acrescentou.

Em 2019, o programa contempla, como sempre, arruadas por grupos de animação vindos de diferentes locais de Portugal e Espanha, teatro de rua, concertos, tasquinhas e uma feirinha de artesanato e produtos locais.

Também haverá workshops sobre os ofícios tradicionais, a cargo do projeto TASA – Técnicas Ancestrais, Soluções Atuais. O programa completo pode ser consultado aqui.

«Aquela que acaba por ser a grande novidade é a maior envolvência por parte dos nossos parceiros espanhóis.
Sanlúcar tem feito um esforço enorme naquilo que é a procura de financiamento, do lado espanhol, para a realização deste evento, à semelhança do que nós temos do “365Algarve”, sem o qual não seria possível fazer algo com esta dimensão», disse Osvaldo Gonçalves.

Em 2019, Sanlúcar de Guadiana conseguiu apoios do Governo Regional da Andaluzia e da Deputácion de Huelva, «o que vem melhorar as condições para que eles participem na festa».

Ou seja, festa – e da rija – não há-de faltar de um lado e de outro do Guadiana, nem contrabandistas que  passem animação e cultura entre Alcoutim e Sanlúcar.

Comentários

pub
pub