Festival do Contrabando também é feito de História e histórias

Jornadas do Contrabando vão lembrar a História desta atividade e dar voz aqueles que a ela estiveram ligados

O Festival do Contrabando – Tráfico de Artes no Guadiana volta a Alcoutim na sexta-feira, mas não sem antes se realizar mais uma conferência dedicada ao mesmo tema. As Jornadas do Contrabando vão acontecer na quinta-feira, dia 28, e vão dar a conhecer a História, mas também histórias sobre esta atividade clandestina.

Este seminário vai decorrer no Salão Nobre dos Paços do Concelho de Alcoutim, a partir das 9h30, e vai recordar o tempo em que o contrabando era o expediente encontrado por muitos dos habitantes da raia para ganhar dinheiro e melhorar as suas vidas, apesar dos riscos que a atividade acarretava – e do facto de ser ilegal.

Essa história será contada por investigadores, mas, também, por antigos contrabandistas e ex-agentes da autoridade, que viveram esta realidade na primeira pessoa.

Desta vez, as jornadas acontecem no dia anterior à inauguração oficial do festival – que é o mesmo que dizer da abertura da ponte flutuante entre Alcoutim e Sanlúcar de Guadiana –, marcada para dia 29 e que contará com a presença de Nelson de Souza, ministro do Planeamento, e de Ângela Ferreira secretária de Estado da Cultura.

Os Governos de Espanha e da Andaluzia também estarão representados, neste caso pelo Alejandro Romero Romero, viceconsejero de Cultura y Patrimonio Histórico, e Bella Verano Domínguez, delegada do Governo Andaluz em Huelva.

 

 

Esta forte presença de governantes de ambos os lados da fronteira tem a ver com uma das particularidades do evento, o facto de ser uma organização conjunta de Alcoutim e Sanlúcar, duas localidades que, durante séculos, se olharam de frente, mas que tinham no Guadiana uma separação.

Os tempos em que o rio separava e que o contrabando era uma profissão são agora recordados neste evento, que além de uma forte componente de animação de rua e cultural, também aposta forte nos produtos locais e no artesanato.

E se, no festival, é explorada uma visão mais romântica do contrabando, o mesmo já não acontece nas Jornadas. Além de diversas apresentações (ver programa completo abaixo), haverá uma mesa redonda sobre o tema “Contributo para a caracterização da Sociedade alcouteneja. Memórias do Contrabando”, com a participação de Carlos Brito (antigo Deputado na Assembleia da República), Manuel Marguilho (Major da Guarda Fiscal aposentado), Vitória Cassinelo (Professora Doutora, aposentada), Gaspar Santos (Engenheiro, natural de Alcoutim), Amílcar Felício (Empresário, natural de Alcoutim) e Francisco Pereira (Cabo da G.F. aposentado).

 

Programa das Jornadas do Contrabando (dia 28 de Março):

– 09h30 – Receção dos Participantes

– 10h00 – Sessão de Abertura
Osvaldo Dos Santos Gonçalves, Presidente da Câmara Municipal de Alcoutim
João Fernandes, Presidente da Região de Turismo do Algarve
Anabela Afonso, Comissária do Programa “365 Algarve”
Adriana Nogueira, Diretora Regional de Cultura do Algarve

– 10h30 – Documentário “Eu aprendi essas manhosices…”, 2º episódio da série “Histórias do contrabando”, por Paulo Vinhas Moreira

– 10h50 – Pausa para café

Painel 1 | Moderador: Augusto Lourido
– 11h00 – Carlos Porfírio, pintor e cineasta / O filme “Um grito na noite” (de 1948), por Rui Guerreiro
– 11h25 – O provérbio e a identidade de um povo, por Rui Soares
– 11h50 – Sociedade e mobilidade social oitocentista na freguesia de Martim Longo, por Fernanda Rosado
– 12h15 – O contrabando na história da economia algarvia, por José Carlos Vilhena Mesquita
– 12h40 – Debate

– 13h00 – Almoço livre

Painel 2 | Moderador: Augusto Lourido
– 14h50 – Alcoutim – A Fronteira da Subsistência, por José Dias Rodrigues
– 15h15 – Revisitando Alcoutim “antigo” através da fotografia, por José Serafim
– 15h40 – Debate

– 15h50 – Pausa para café

– 16h00 – Mesa Redonda “Contributo para a caracterização da Sociedade alcouteneja. Memórias do Contrabando”, com a participação de Carlos Brito (antigo Deputado na Assembleia da República); Manuel Marguilho (Major da G.F. aposentado); Vitória Cassinelo (Professora Doutora, aposentada); Gaspar Santos (Engenheiro, natural de Alcoutim); Amílcar Felício (Empresário, natural de Alcoutim) e Francisco Pereira (Cabo da G.F. aposentado).

– 17h30 – Documentário “O Contrabando no Baixo Guadiana” – Associação Odiana

– 17h50 – Debate

– 18h00 – Sessão de Encerramento
Paulo Paulino, Vice – Presidente da Câmara Municipal de Alcoutim
José María Perez Díaz, Alcalde do Ayuntamiento de Sanlúcar de Guadiana

Comentários

pub
pub