pub
Imprimir

Britânicos gostam cada vez mais do Algarve (e não são os únicos)

Chegam mais cedo, ficam até mais tarde e muitos chegam de mercados emissores que, até agora, quase não tinham expressão. Portugal está na moda e o Algarve, a principal região turística do país, está a ganhar com isso. O aumento dos preços médios da hotelaria, a diminuição da sazonalidade e um boom do mercado imobiliário são a face mais visível deste fenómeno.

Do Reino Unido, chegam notícias de que a popularidade de Portugal está em crescendo e são cada vez mais os súbditos da Rainha Isabel II a escolher o nosso país para passar férias. O jornal Daily Star garante que Portugal «está rapidamente a caminho de se tornar o destino de férias favorito dos britânicos» e que a notoriedade do nosso país atingiu «um máximo de nove meses», segundo as estatísticas.

Como seria de esperar, um dos locais mais populares é o Algarve, «conhecido pelas suas praias e campos de golfe», segundo o jornal do Reino Unido, mas «cidades vibrantes como Lisboa e Faro também são altamente populares entre os que vão de férias».

O gosto dos britânicos pelo Algarve está longe de ser uma novidade, já que o Reino Unido é há décadas o principal mercado emissor de turistas estrangeiros para a região. Na realidade, em Agosto até se notou uma quebra de mais de 16 por cento no número de turistas vindos deste país que escolheram a região para passar férias, diminuição que, ainda assim, acabou por ser compensada por turistas nacionais e de outros países, não tendo afetado a taxa de ocupação.

Em Julho, já se havia notado uma descida do mercado britânico, na região, mas, em compensação, houve crescimento em Junho e, principalmente, em Maio.

Segundo João Soares, diretor do Dom José Beach Hotel, de Quarteira, e conselheiro regional do Algarve da Associação dos Hotelaria de Portugal (AHP), o número de britânicos que visitou a região, este ano, «foi mais ou menos o mesmo dos anos anteriores». «Temos mantido o número, que já de si era muito alto», disse.

Onde a badalada popularidade de Portugal se nota mais, considerou João Soares, é na operação em si. «Os hotéis estão a praticar preços médios mais elevados, o que permitiu consolidar a procura e esbater a sazonalidade. Muitas pessoas estão a optar por marcar férias na região fora do pico do Verão, para conseguir preços mais em conta», explicou.

Em 2017, já se notou que «a partir de Fevereiro» os turistas começam a vir para a região em maior número e as reservas já existentes revelam que tencionam ficar até mais tarde, «até ao final da 1ª quinzena de Novembro». Ou seja, o período “morto” das unidades hoteleiras diminuiu de forma significativa. «De um modo geral, os hoteleiros estão satisfeitos, pois houve um aumento da procura e um atenuar da sazonalidade», ilustrou João Soares.

Apesar de ser notícia no Reino Unido, a popularidade de Portugal é muito mais abrangente. «O mercado francês está em grande crescimento, mais durante a época intermédia, mas também durante o Verão. Também se nota uma maior incidência de mercados que antes eram muito pouco expressivos, como os Estados Unidos da América, os países asiáticos e o Brasil. São cada vez mais os turistas que entram em Portugal via Lisboa e fazem questão de passar uns dias no Algarve», revelou o dirigente da AHP.

Portugal e o Algarve também são vistos, cada vez mais, como um bom local para investir, no que toca ao imobiliário. As compras de casas por estrangeiros têm vindo a subir nos últimos anos e, neste caso, os britânicos têm dado uma grande ajuda.

Segundo Luís Lima, presidente da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP), «houve um aumento notório das intenções e das perguntas» para compra de casa no nosso país, num segmento de luxo, por parte de cidadãos britânicos. Em «90 por cento dos casos», essa procura está relacionada com o Algarve.

Para Luis Lima, este interesse em investir em Portugal poderá estar intimamente ligado ao Brexit. «No dia em que os britânicos votaram pela saída da União Europeia eu, curiosamente, estava em Londres. E, na altura, declarei publicamente que estavam em cima da mesa duas possibilidades, desde logo um retrair do investimento, devido à desvalorização da libra. Mas, como aconteceu com a China ou o Brasil, a incerteza económica podia levar à compra de imóveis noutros países, nomeadamente Portugal, o que tudo indica que esteja a acontecer», disse.

No fundo, os britânicos, nomeadamente aqueles com mais poder de compra, estão a aproveitar para investir no nosso país antes que a saída do Reino Unido da União Europeia seja um facto consumado, naquilo que pode ser visto como uma espécie de “plano B”, para salvaguarda do património.

O que parece mais que certo é que os britânicos (e turistas de muitos outros locais) continuam a colocar Portugal no topo das suas preferências e que o nosso país e o Algarve vão continuar em alta. «Já temos muitas reservas para o próximo Verão, há uma procura com cada vez mais antecedência», revelou João Soares.

Comentários

pub