Isilda Gomes é a nova presidente do Conselho Consultivo do Centro Hospitalar Universitário do Algarve

Escolha foi feita pelos autarcas do Conselho Intermunicipal da AMAL – Comunidade Intermunicipal do Algarve

Isilda Gomes é a nova presidente do Conselho Consultivo do Centro Hospitalar Universitário do Algarve (CHUA). 

A escolha foi feita pelos autarcas do Conselho Intermunicipal da AMAL – Comunidade Intermunicipal do Algarve.

A AMAL diz que «Isilda Gomes vai defender os interesses de todos os municípios do Algarve na defesa da construção de um novo Hospital Central e na alteração do atual modelo de prestação de cuidados hospitalares no Algarve que, ao longo dos últimos anos, tem vindo a degradar-se, apesar de todo os investimentos feitos».

Para Isilda Gomes, que também é presidente da Câmara de Portimão, «a região tem que ser vista como um todo e numa ótica de colaboração entre todos os seus autarcas».

«Os autarcas articular-se-ão, envolver-se-ão e trabalharão em conjunto com outras entidades públicas estratégicas da área da saúde no Algarve porque só assim seremos capazes de fazer valer os interesses regionais. Este é um tema que merece da nossa parte uma reflexão séria e sem reservas», acrescenta.

Na opinião da nova presidente do Conselho Consultivo do Hospital Universitário do Algarve, a construção de um hospital central, dotado de todas as valências e tecnologia de ponta, que evite as constantes viagens dos doentes para outros pontos do país, «é um objetivo primordial».

A este junta-se a aposta na inovação e melhoria dos cuidados de saúde, alicerçada num Centro Hospitalar Universitário que reforce a agregação entre os seus três pólos e a Universidade do Algarve, aproveitando as sinergias criadas com o Centro Académico Clínico e o Curso de Medicina.

Em relação ao Hospital de Portimão, Isilda Gomes diz que vai defender que este assuma a sua posição estratégica, com uma administração própria, à semelhança do que existia antes da fusão, com um reforço objetivo das valências que possui evitando desta forma também a saturação do Hospital Central a curto prazo.

«Os cuidados adequados, de elevada qualidade e de proximidade aos utentes da região do Barlavento, deverão ser garantidos e reforçados de forma contínua e progressiva».

Sobre o atual Hospital de Faro, a nova presidente do Conselho Consultivo acredita que «deve continuar na área da saúde, havendo valências para o qual deve ser vocacionado, nomeadamente na prestação de cuidados a doentes com patologias mais leves e prolongadas, devendo ainda disponibilizar consultas de especialidades e exames complementares de diagnóstico e terapêutica, num modelo inovador que reforce de forma clara e objetiva a capacidade de resposta do SNS aos seus utentes no Algarve».

Comentários

pub
pub