Hospital de Portimão pode ficar sem pediatras entre hoje e domingo

Doentes poderão ter de ser transferidos para Faro

A Pediatria do Hospital de Portimão pode ficar sem pediatras durante o fim de semana, o que obrigará à transferência de crianças e bebés para o Hospital de Faro. A situação foi confirmada, esta manhã, por Marta Temido, ministra da Saúde, que visitou a unidade hospitalar.

A governante confirmou aos jornalistas que «temos dificuldades no preenchimento das escalas esta sexta-feira, sábado e domingo. Se se confirmarem essas dificuldades, se ficarmos sem especialista de pediatria no hospital, estão organizados os meios para que os doentes sejam encaminhados para o Hospital de Faro, a partir de hoje, ao final do dia».

No entanto, Marta Temido não dá a situação como certa, uma vez que «ainda estão a ser realizados contactos hoje que podem garantir que isso não é necessário».

A ministra garantiu que o internamento «está a funcionar neste momento» e  que não haverá um encerramento dos serviços porque «estamos a falar de um hospital integrado num Centro Hospitalar que tem vários polos e o Hospital de Faro poderá dar apoio, caso seja necessário. O que poderá haver é um encaminhamento de doentes que dêem aqui entrada de novo através da urgência e poderá haver a necessidade de transportar, para Faro, meninos da Neonatologia».

A ministra diz que a prioridade, neste momento é «resolver os problemas nas escalas. Temos a convicção que, a partir do final do mês e até final de Agosto, com o reforço de profissionais vindos de outras zonas do país, estas situações não se voltarão a verificar», concluiu.

O PSD Algarve já veio a público criticar a situação no Hospital de Portimão que constitui «uma desproteção dos bebés e das crianças, a qual, como temos sublinhado, se tornou no novo normal, com episódios sucessivos e intermináveis que deixam de rastos a confiança das famílias no SNS e violam o acesso à saúde».

Os sociais-democratas lembram também a situação da maternidade do Hospital de Portimão, «que não tem escala em 33 dias até ao final do mês de Agosto», e dizem que «perante estes factos, estas necessidades tão prementes e reconhecidas, não pode deixar de ser uma decisão absurda a não abertura de vagas para estas especialidades no Algarve, num concurso que o Governo concebeu para responder às maiores carências que detectou no país».

Na obstetrícia, «foram abertas 12 vagas nenhuma para o Algarve. Na pediatria 5, nenhuma para o Algarve», realçam.

O PSD Algarve «já mandatou os seus deputados, Cristóvão Norte e José Carlos Barros para, na audição com a Ministra da Saúde, que se realizará esta semana, exigirem soluções, como têm feito, para todas estas questões que tanto penalizam os algarvios», conclui o comunicado.

Comentários

pub
pub