Três áreas empresariais do Algarve vão ganhar nova vida

Projeto arrancou no Mercado da Ribeira, em Tavira

Revitalizar três áreas empresariais em Tavira, Vilamoura e Lagos. Este é o objetivo do “Algarve Revit+”, projeto que arrancou esta quarta-feira, 5 de Junho, e cuja ideia também é ajudar a diversificar a base económica da região, promovendo e ajudando as pequenas e médias empresas. 

O Mercado da Ribeira, em Tavira, foi o palco escolhido para o início deste projeto. As áreas empresariais aderentes são as de Lagos (Municipal do Chinicato, Chinicato e Marateca), o Parque Empresarial de Tavira e o Centro de Empresas e Serviços de Vilamoura.

O projeto junta também três entidades públicas: o NERA – Associação Empresarial da Região do Algarve, grande promotor, a AMAL – Comunidade Intermunicipal do Algarve e Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR) do Algarve.

 

 

A realização de Mostras Empresariais nas três localidades, como a que esteve patente no Mercado da Ribeira, em Tavira, oito workshops, bem como uma conferência internacional sobre competitividade são iniciativas que se vão realizar no âmbito do “Algarve Revit+”.

«O objetivo é tanto revitalizar estas três áreas, como ajudar as outras, no sentido em que se sintam animadas para desenvolver o seu trabalho. A escolha de Lagos, Tavira e Vilamoura foi por imposição da candidatura a fundos comunitários e estas acabaram por ser as selecionadas, ouvindo também associações para essa decisão», explicou Vítor Neto, presidente do NERA, ao Sul Informação.

«Há a necessidade de dinamizar outros setores económicos, além do turismo, com áreas empresariais com infraestruturas que possam atrair novas empresas ou motivar iniciativa para que novas surjam», acrescentou.

Este é um projeto que quer servir como ponto de partida para a revitalização de todas as áreas empresariais da região.

 

 

«A ideia é dar continuidade a isto e, se houver mecanismos que o permitam, fazer projetos para outras áreas empresariais. É interessante que estas três vão trabalhar naquilo que é generalizável já em conjunto com as outras, em questões como a informação e a imagem», explicou Vítor Neto.

O projeto teve início oficial em Tavira, com Jorge Botelho, presidente da Câmara Municipal e da AMAL, a dizer, aos empresários presentes, como «é importante» a existência do Parque Empresarial naquela cidade.

Já Francisco Serra, presidente da CCDR Algarve, fez questão de referir a importância de a região «consolidar atividades económicas que temos, restabelecendo outras que foram a base económica no passado».

«A expetativa para este projeto é que se cimentem estas áreas empresariais e isso surja como um exemplo», acrescentou.

É também essa a crença de Vítor Neto. «Temos riquezas e potencial que não estamos a utilizar. A diversificação da base económica do Algarve é importante. Isto é todo um processo e é preciso acreditar nele», concluiu em declarações ao Sul Informação. 

Depois de Tavira, as iniciativas seguem para o edifício do NERA, na Zona Industrial de Loulé (12 e 13 deste mês), terminando a 18 e 19 no Centro Cultural de Lagos.

 

Fotos: Rodrigo Damasceno | Sul Informação

 

Comentários

pub
pub