Barco solar Cat 12.0 já navega, mas é preciso ver para acreditar [com fotos]

Novo barco solar algarvio foi apresentado ontem em Vilamoura

O barco manobra, acelera e entra em velocidade de cruzeiro, mas não se ouve nenhum som, a não ser o das conversas dos primeiros passageiros do Cat 12.0 da Sun Concept e o marulhar da água afastada pela deslocação desta embarcação exclusivamente movida a energia solar.

O facto de ser totalmente silencioso, uma inusitada caraterística numa embarcação, é aquilo que se nota logo, ao viajar neste barco solar algarvio. Mas o seu maior valor está na tecnologia de ponta que utiliza e também no seu design, garantido por uma empresa portuguesa especializada em conceber meios de transportes e em inovar no seu desenho.

O Sul Informação esteve dentro do Cat 12.0 da Sun Concept na curta viagem que este barco fez dentro da Marina de Vilamoura, ontem, sábado, durante a cerimónia de apresentação oficial do  barco, que se realizou no âmbito do Boat Show de Vilamoura.

E a tranquilidade proporcionada pelo barco foi uma das caraterísticas mais comentadas pelas personalidades convidadas para estar nesta primeira viagem oficial do Cat 12.0, que constituiu «um marco na vida da Sun Concept».

«Este foi o grande passo.O primeiro modelo, o Sunsailer 7.0, serviu para comprovar que era possível. Quando percebemos que sim, que era possível e que havia adesão, – e com a aprendizagem e recrutamento das pessoas certas -, demos um salto em termos de conceção», revelou ao Sul Informação Manuel Brito, sócio fundador da empresa sediada em Olhão.

 

Manuel Brito com José Apolinário e Manuel Costa Braz, CEO da Sun Concept

 

Neste caso, o desafio é bem maior. É que o Sunsailer é um barco de menores dimensões e para usar em águas abrigadas.

Já o Cat 12.0 é um catamarã que tem «a possibilidade de andar em mar aberto, a capacidade de andar sem carregamento durante um dia inteiro, ou mais».

«Além disso, há a possibilidade, se navegar a uma velocidade baixa, de ter autonomia ilimitada. Tem ainda uma velocidade de cruzeiro superior e capacidade para transportar cerca de 25 pessoas», explicou ao nosso jornal João Bastos, diretor comercial da empresa, durante uma visita às instalações da empresa promovida pela Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR) do Algarve, há cerca de uma semana.

Manuel Brito frisa, por seu lado, que «em termos mundiais não há nada que se compare ao Cat 12.0». E, além do barco que já está feito e foi comprado por uma empresa marítimo-turística da Madeira, já se está a iniciar a construção de outra embarcação, desta feita destinada a um particular e que terá outras caraterísticas, como o facto de ser toda fechada e contar com dois quartos».

 

João Bastos

 

Entretanto, há já muitos interessados em adquirir uma destas inovadoras embarcações, mas terão de esperar. É que, para já, a empresa algarvia só tem capacidade logística para construir um destes barcos de cada vez.

Este primeiro modelo demorou cerca de dois anos a ser construído, mas a empresa conta conseguir construir o próximo em cerca de quatro meses.

Certo é que quantos mais Cat 12.0 houver a cruzar as águas do planeta terra, melhor é para o ambiente, como frisou José Apolinário, secretário de Estado das Pescas, que representou o Governo no lançamento deste barco solar.

«Os grandes desafios que se colocam hoje, quer em termos de neutralidade de carbono, quer nos objetivos de desenvolvimento sustentável das Nações Unidas, é gerir e utilizar os recursos do mar e forma sustentável. Este projeto fomenta e concretiza a economia circular e a utilização de energias renováveis», resumiu o membro do Governo, natural de Olhão.

Isso levou a que este fosse «um dos projetos emblemáticos», que foram apoiados pelo Fundo Azul, criado pelo ministério do Mar.

«Temos 22 projetos aprovados pelo Fundo Azul, representando 9 milhões de euros de incentivo. Este foi um dos que foi escolhido, recebeu 500 mil euros de incentivo», revelou José Apolinário.

Este apoio ajudou a empresa a conceber um produto único, que, ainda assim, vende a um preço em linha com embarcações com caraterísticas equivalentes que há no mercado, pelo menos nos casos em que estas se destinam ao trabalho.

 

Fotos: Hélder Santos|Sul Informação

Comentários

pub
pub