À boleia de um tuk-tuk, se festeja os anos de Álvaro de Campos em Tavira

Festa dos anos de Álvaro de Campos, que Pessoa fez nascer em Tavira a 15 de Outubro de 1890, já começou e dura até Novembro

Espalhadas por Tavira, há dezenas de placas com poemas de Álvaro de Campos, o heterónimo que Fernando Pessoa fez nascer nesta cidade algarvia: desde a Ode Marítima até ao Opiário, passando pela Tabacaria. Agora, por ocasião da Festa dos Anos de Álvaro de Campos, um evento cultural da associação Partilha Alternativa, vai ser possível conhecer 11 dessas placas à boleia de um tuk-tuk

Esta Rota Literária Álvaro de Campos já está disponível e à distância de uma reserva que pode ser feita ligando para o 916994889. Passando por locais como a Estação da CP ou a Caixa Agrícola, o visitante é convidado a descer do tuk-tuk para ler cada um dos poemas.

Pelo caminho, o guia conta a história de Fernando Pessoa e a ligação do poeta português a Tavira, cidade de onde era natural o seu avô paterno e que escolheu para aí fazer nascer o seu heterónimo Álvaro de Campos. No final, os visitantes escolhem uma paisagem da cidade para tirar uma foto com a placa “Aqui Nasceu Álvaro de Campos”.

Esta é uma das atividades da Festa dos Anos de Álvaro de Campos, uma iniciativa que já começou e que decorre até ao final do mês de Novembro, em Tavira.

Em entrevista ao Sul Informação, Tela Leão, presidente da associação Partilha Alternativa, disse que este é «um evento cada vez mais querido, com um maior número de pessoas a aderir».

Por isso, foi preparado um programa que inclui exposições, cinema, música ou dança contemporânea. Tudo relacionado, direta ou indiretamente, com Fernando Pessoa.

«Vamos ter, por exemplo, um espetáculo de dança contemporânea com a Yuko Kominami, uma bailarina japonesa que vive em Tavira. Ela escolheu um poema e vai tentar dizê-lo sem palavras», explicou ao nosso jornal. Será no dia 27 de Outubro, às 16h00, num local ainda a definir.

Já na vertente musical haverá, por exemplo, um espetáculo do Grupo Pérolas do Girão, de música tradicional portuguesa, que vai cantar quadras populares escritas por Pessoa. Este evento realiza-se dia 10 de Novembro, às 18h30, na Biblioteca Municipal Álvaro de Campos.

«É importante as pessoas perceberem também esta vertente mais popular do Pessoa, apesar de ter sido um grande erudito. Tentámos também tocar nisso nesta programação», enquadrou Tela Leão.

Ainda na parte dos concertos, no dia 28 de Outubro, às 18h30, o compositor tavirense Luís Conceição junta-se à irlandesa Jane Hennessey para um espetáculo baseado na série de poemas “The Mad Fiddler”, da autoria de Fernando Pessoa ortónimo.

Passando para a vertente cinematográfica, a programação prevê uma sessão dupla. Em primeiro lugar, será exibida uma curta-metragem de Paul Ouazan, «que convidou a Maria de Medeiros para dizer o poema “Todas as cartas de amor são ridículas” em três línguas. A maneira como a atriz vai passando de uma língua para a outra, durante a curta metragem, é interessante e muito dinâmica», explicou Tela Leão.

Depois, haverá a exibição de um documentário de homenagem a Bartolomeu Cid dos Santos, um dos maiores gravuristas portugueses e que tinha uma ligação íntima com Tavira. Bartolomeu morreu há 10 anos e a Festa dos Anos de Álvaro de Campos quer recordá-lo este domingo, 14 de Outubro, às 20h30, nos Claustros do Convento do Carmo.

«A história dele é muito curiosa: foi um grande gravurista, deu aulas em Londres durante toda uma vida, mas antes, com 18 anos, veio para Tavira para a tropa. Certo dia, enquanto cá estava, encontrou, numa livraria, a Ode Marítima do Álvaro de Campos. Leu-a e ficou completamente apaixonado, de tal forma que durante a sua vida desenhou, muitas vezes, o heterónimo e Fernando Pessoa», contou Tela Leão ao nosso jornal.

«No final da vida, o Bartolomeu Cid dos Santos resolveu que queria trabalhar em Tavira e, com a ajuda da Gulbenkian, montou o seu estúdio de gravura com todo o equipamento igual ao que tinha em Londres num espaço que lhe foi cedido pela Casa das Artes de Tavira. Mais tarde, quando morreu, pediu que as cinzas fossem deitadas no Rio Gilão», acrescentou.

Mas como este festival quer abranger várias áreas, também haverá exposições e palestras. Uma delas é “Pessoas”, de Ricardo Ranz, um artista espanhol apaixonado pelo poeta português. A mostra vai estar patente até 30 de Novembro, na Casa Álvaro de Campos, em Tavira.

Outra é sobre “O Modernismo em Tavira”, da autoria de Isabel Macieira, e será inaugurada este sábado, 13 de Outubro, na sede da A|NAFA – Associação de Fotógrafos do Algarve. A exposição de fotografia mostra os exemplares mais marcantes da arquitetura modernista na cidade e arredores.

Na parte das palestras, a pessoana Teresa Rita Lopes visita, a 20 de Outubro, a cidade algarvia para falar sobre as diferentes fases e facetas do poeta Fernando Pessoa. A sessão está marcada para as 11h00 na Casa Álvaro de Campos.

Apesar de estar «tudo a ser feito por conta e risco» da associação Partilha Alternativa, que este ano não conseguiu financiamento de entidades oficiais para montar este programa, Tela Leão nota que Tavira «está cada vez mais próxima de Álvaro de Campos».

«Há interesse e uma dinâmica maior», disse. Uma das iniciativas que tem suscitado maior interesse, por parte dos turistas, são os poemas a giz, escritos em ardósias, na entrada de restaurantes, aí colocados no âmbito da Festa dos Anos de Álvaro de Campos.

No fundo, considerou Tela Leão, «a cidade está mais perto do poeta».

 

Próximos espetáculos:

>>SÁBADO NO CORETO com a BANDA MUSICAL DE TAVIRA
CORETO DE TAVIRA
SAB 13 OUT. 15h00

>>TANGENCIAL A PESSOA . Sessão do Cineclube com dois filmes
CLAUSTROS DO CONVENTO DO CARMO
DOM 14 OUT. 20h30

>>A CARTA DA CORCUNDA PARA O SERRALHEIRO
MUSEU MUNICIPAL DE LOULÉ .
SEG 15 OUT. 16h00

>>VEM NOITE ANTIQUÍSSIMA E IDÊNTICA
PRAÇA DA REPÚBLICA
SEG 15 OUT. 20h00

Para consultar o programa completo desta iniciativa, clique aqui. 

 

Fotos: Pablo Sabater | Sul Informação

Comentários

pub
pub