Governo disponibiliza 5 milhões para ajudar agricultores afetados pelo incêndio

Ministro diz que, até agora, foram contabilizados prejuízos em 400 explorações agrícolas

O Governo abriu o período de candidaturas para apoios aos agricultores prejudicados pelo incêndio que lavrou durante uma semana nos concelhos de Monchique, Silves e Portimão. O concurso tem, à partida, uma dotação de 5 milhões de euros, mas o ministro da Agricultura admite reforçar este valor, se for necessário.

Os pedidos de compensação podem ser apresentados já a partir de hoje, dia 22 de Agosto, e até ao final de Setembro.

Como salientou Capoulas Santos, na visita que fez ao Algarve na passada semana, a declaração de prejuízos já preenchida por quase duas centenas de agricultores lesados pelo fogo não serve como candidatura, que terá de ser feita agora, num processo à parte.

O ministro do Ambiente revelou à Antena 1 que, até ao momento, foram contabilizados prejuízos em cerca de 400 explorações agrícola.

«Já quantificámos os prejuízos em metade deste universo, com o cálculo a atingir, neste momento, os dois milhões de euros. Portanto, admitimos que, feito o levantamento completo, os prejuízos possam ascender ao dobro deste valor, ou seja, aos 4 milhões de euros», disse o membro do Governo.

O membro do Governo já tinha avançado, na semana passada, que, dos danos identificados, «metade desses prejuízos tem a ver com construções, com dependências agrícolas. Cerca de um terço está ligado a maquinaria e equipamento – máquinas, tratores, equipamentos de rega, tubagens. Também existem alguns animais mortos, infelizmente. Os restante 20% dos prejuízos são em culturas permanentes, nomeadamente pomar e essencialmente de citrinos».

«Nós atribuímos um montante de 5 milhões. Achamos que não vai atingir esse valor, mas de qualquer modo, se por alguma razão, isso suceder, temos condições para o poder alargar», revelou Capoulas Santos, em declarações à Antena 1.

As candidaturas que forem apresentadas podem incluir investimentos que tenham sido feitos pelos agricultores na recuperação de elementos perdidos devido aos incêndios desde a data da ocorrência. Esta é uma novidade em relação aos apoios dados nos grandes incêndios do ano passado.

Agora, a ideia do Governo é que o dinheiro chegue o mais depressa possível aos lesados e que tudo esteja resolvido «até final de Novembro».

Concluído o período de candidaturas, em final de Setembro, haverá um período, que também se estima que seja de cerca de um mês «para a aprovação das candidaturas, contratualização e pagamento contra-fatura».

Entretanto, a Direção Regional de Agricultura e Pescas recebeu instruções «para que estas candidaturas passem à frente de todas as outras na análise, para que imediatamente possamos contratualizar e proceder aos pagamentos».

Comentários

pub
pub