Como era Fernão de Magalhães antes de ser famoso?

Como era Fernão de Magalhães antes de ser famoso? Este será o tema do próximo “6ª Com Ciência! no Centro […]

Como era Fernão de Magalhães antes de ser famoso? Este será o tema do próximo “6ª Com Ciência! no Centro Ciência Viva de Lagos, no dia 27 de Abril às 20h30, tendo como orador o investigador Rui Loureiro.

Esta conversa, gratuita e dirigida ao público em geral, incidirá sobretudo nos aspetos menos conhecidos e caricatos da vida deste descobridor português.

Em 2019, cumprem-se cinco séculos sobre a data da partida de Fernão de Magalhães de Sevilha, no comando da expedição que completaria a primeira viagem de circum-navegação.

Dois anos antes, o fidalgo português abandonara Portugal em conflito aberto com el-rei D. Manuel I, que lhe recusara a recompensa solicitada pelos muitos anos de serviços dedicados à coroa lusitana.

Nos anos seguintes, Magalhães iria procurar o patrocínio de Carlos I de Espanha para o seu projeto de alcançar as ilhas orientais das especiarias por uma rota ocidental, evitando navegar nas zonas que o Tratado de Tordesilhas decretara de influência portuguesa.

Tratava-se, nem mais nem menos, de retomar o projeto de Cristóvão Colombo, mas agora com novas bases, e a partir de um conhecimento europeu, e sobretudo português, da geografia da Ásia mais oriental.

Os anos espanhóis da vida de Magalhães, desde a chegada a Sevilha em 1517 até à sua morte na longínqua ilha de Mactan, nas Filipinas, três anos e meio mais tarde, estão extremamente bem documentados, pois associam-se à primeira viagem em torno do globo terrestre, um dos eventos mais marcantes do século XVI.

Mas a presente palestra aponta para o lado obscuro do percurso do grande navegador, isto é, pretende tentar traçar um quadro sintético, informado e atualizado da biografia de Fernão de Magalhães antes da sua chegada a Espanha.

O que não é tarefa fácil, como é sabido, pois, tal como aconteceu com muitos outros portugueses que foram protagonistas das grandes navegações quatrocentistas e quinhentistas (como Gil Eanes, Diogo Cão, Bartolomeu Dias ou Pedro Álvares Cabral), a vida de Magalhães quase não deixou rasto na documentação coetânea anterior a 1517.

E tratava-se de um personagem menor, da pequena nobreza lusitana, sem especial destaque ou relevância social que chamasse a atenção de relatores ou cronistas.

Rui Loureiro, o conferencista, é natural do Porto, licenciado em História pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (1979) e doutorado em História da Expansão Portuguesa (1995) pela Universidade de Lisboa.

Especializou-se na história dos contactos dos portugueses com o mundo asiático nos séculos XVI e XVII, tendo publicado mais de uma centena de trabalhos de investigação, entre livros, artigos e comunicações.

A sua obra mais recente é uma edição crítica da «Suma Oriental» de Tomé Pires (Lisboa, 2018). Coordenou a equipa que concebeu e instalou o CCV de Lagos.

É investigador integrado do CHAM, Centro de Humanidades da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa e membro da Academia da Marinha.

É também diretor científico e pedagógico do Instituto Superior Manuel Teixeira Gomes, em Portimão.

Comentários

pub
pub