Faro: Alunos da Secundária Pinheiro e Rosa ganham prémio nacional “Pela Diversidade Cultural”

Quatro alunos da Escola Secundária Pinheiro e Rosa, de Faro, foram distinguidos com o prémio de comunicação “Pela Diversidade Cultural”, […]

Refugiados/Imagem de Arquivo

Quatro alunos da Escola Secundária Pinheiro e Rosa, de Faro, foram distinguidos com o prémio de comunicação “Pela Diversidade Cultural”, na categoria Jovem. Cátia Orvalho, Gonçalo Jacob, Luísa Lino e Rafael Pina foram galardoados pelo livro “Rostos de Guerra”.

O livro que valeu a distinção aos jovens farense «foi inspirado na viagem a um campo de refugiados na Grécia no âmbito do Projeto Erasmus+ “In a Far Away Land Refugee Children”», revelou a Pinheiro e Rosa.

A cerimónia de anúncio dos vencedores e de entrega dos prémios deste concurso, promovido Alto-Comissariado para as Migrações, teve lugar na passada segunda-feira, dia 18 de Dezembro.

O júri do prémio considerou que o trabalho dos estudantes da escola farense foi aquele, entre os apresentados à categoria Jovem, que melhor enquadrou o espírito da iniciativa, cujo objetivo é «premiar trabalhos, publicados e/ou difundidos nos meios de comunicação tradicionais e digitais, com um contributo relevante para a promoção da diversidade cultural, o combate à discriminação em função da nacionalidade, etnia, religião ou situação documental e, em particular, para a integração das comunidades migrantes e ciganas presentes em Portugal».

«Este concurso contou com a participação de profissionais da comunicação social/jornalismo, de produtores/as de conteúdos, guionistas e/ou argumentistas nas áreas da informação, programação, conteúdos digitais, entretenimento e/ou ficção nacional para televisão, teatro e cinema, e também de jovens de idades compreendidas entre os 15 e os 24 anos», segundo a secundária Pinheiro e Rosa.

O vencedor do prémio “Diversidade Cultural”, o galardão principal deste concurso, foi o trabalho «Eu vim de longe, os novos povoadores do interior português”, de Ricardo Jorge Rodrigues, publicado na revista Notícias Magazine.

“A geração de ‘portugueses imigrantes’ a viver em Portugal”, de Joana Gorjão Henriques, jornal Público, venceu o Prémio Imprensa Escrita, categoria que incluiu ainda uma Menção Honrosa para o trabalho “500 anos depois, Os Habib andam à procura de casa em Portugal”, de Catarina Gomes, também publicado no jornal Público.

“Jamaika também é Portugal”, de Rita Colaço, da Antena 1, venceu o Prémio Rádio, e a reportagem “Renegados”, de Sofia Pinto Coelho, Filipe Ferreira, Rui Berton, Isabel Cruz, José Dias e Diana Matias, da SIC, venceu o Prémio Televisão. Nesta categoria foram atribuídas duas Menções Honrosas, uma ao trabalho “Ai, Mouraria”, de Mafalda Gameiro, da RTP e outra à reportagem “Eu é que sou o Presidente da Junta – União das freguesias de Águeda e Borralha”, de Miriam Alves, Filipe Ferreira, Marco Carrasqueira, Sandra Cadeireiro e Patrícia Reis, da SIC.

O Prémio Fotojornalismo foi para “Nós Muçulmanos”, de José Carlos Carvalho, um trabalho publicado na revista Visão, enquanto o Prémio Órgãos de Informação Regionais e Locais foi atribuído ao trabalho “Primeira igreja não católica de Leiria cumpre um século de luta contra a discriminação”, de Carlos Manuel Ferreira dos Santos Almeida, publicado no semanário Região de Leiria. O Prémio Diversidade nos Guiões foi para o “Teaser Estoril Conferences 2017”, de Alexandre Borges.

Nesta edição do prémio de comunicação “Pela Diversidade Cultural” foram apresentados a concurso 32 trabalhos, avaliados por um júri constituído por: Clara Almeida Santos, Vice-reitora para a Cultura e a Comunicação da Universidade de Coimbra; Fernando Cascais, Professor Doutor em Comunicação Social e Jornalista; Lívio de Morais, Professor e Artista Plástico; e Pedro Santos Pereira, jornalista.

Comentários

pub
pub