Sé de Faro vai ter uma “Escola de Órgão” e interessados não faltam

O órgão de tubos da Sé de Faro tem «mais de 300 anos» e a vontade de criar uma “Escola […]

O órgão de tubos da Sé de Faro tem «mais de 300 anos» e a vontade de criar uma “Escola de Órgão na Catedral” também já era antiga. A partir deste sábado, 18 de Novembro, este desejo do Cabido da Sé começa a ser concretizado, com o primeiro encontro do professor André Ferreira com os 25 futuros organistas, um número «que supera as expetativas».

O cónego José Pedro é o deão do Cabido da Sé Catedral de Faro, o conjunto de sacerdotes que tem a seu cargo o zelo pela liturgia e pela cultura da Sé farense. Numa visita a este templo, com o Sul Informação, explicou de onde vem esta ideia, já antiga, de criar a “Escola de Órgão”.

«Desde sempre, as catedrais tiveram um papel muito importante no âmbito da música sacra. A ideia vem tanto daí, como do facto de queremos celebrar os 300 anos deste órgão de tubos [comemorados em 2015] não apenas de uma maneira escrita».

Esta escola «vai ter várias etapas». Os alunos vão começar «por um órgão simples» para, depois, «começarem a tocar o órgão de tubos».

As aulas vão ser duas vezes por mês, com direito a «um atendimento personalizado». É que, revelou o cónego José Pedro, entre os inscritos tanto há «pessoas com alguns conhecimentos», como outras «sem nenhuns».

E qual é o principal objetivo desta escola? «A preparação para o acompanhamento litúrgico», responde o deão do Cabido, sem deixar de lado a hipótese de haver concertos de órgão na Sé.

Quanto ao número de inscrições, o cónego José Pedro confessou não «estar à espera de tanta adesão». «É uma surpresa», realçou.

Neste primeiro encontro que André Ferreira vai ter com os seus alunos vão ser delineadas questões como os dias das aulas.

Certo é que as temáticas a abordar vão estar ligadas aos «princípios base da harmonia tonal, encadeamentos e cadências, transposição, técnica, improvisão de prelúdios e diferentes registações para os diversos momentos litúrgicos», segundo explica o jornal “Folha de Domingo”.

Para o cónego José Pedro, «vai havendo um maior gosto pelo órgão de tubos». E aqui entra, sem dúvida, a associação Música XXI e o seu Festival de Órgão que já vai na 10ª edição.

Patrícia Neto Martins, da organização desta iniciativa, considera que «o Festival teve influência», tanto no «despertar deste maior interesse no órgão», como na própria constituição da escola. Prova disso é que o próprio professor André Ferreira até já tocou no Festival de Órgão.

«Isto é uma semente que vai dando os seus frutos», refere. E, apesar de esta ser uma Escola de Órgão na Catedral de Faro, vai-se «estender a outros órgãos da região». Isto porque, «quem aprende a tocar num órgão, saberá tocar os outros. É apenas uma questão de ajuste, uma vez que cada órgão tem as suas características», disse ao Sul Informação.

Por isso, Patrícia Neto Martins traça um objetivo: ouvir, na próxima edição, «uma apresentação destes alunos» no Festival de Órgão.

O cónego José Pedro também dá os louros à organização desta iniciativa. «Haver o Festival de Órgão é, para nós, uma motivação e um incentivo», disse.

Com os olhos no histórico de órgão de tubos da Sé de Faro, de conceção tipicamente alemã e que se ergue, imponente, junto ao Coro, o deão do Cabido não tem dúvidas. «A música também contribui para que as pessoas venham à missa. Vou fazer tudo por tudo para levar por diante esta escola».

Quem quiser, ainda se pode inscrever, enviando um e-mail para catedraldefaro@gmail.com, mas ficará em lista de espera. Estas aulas vão custar 40 euros por mês a cada aluno.

 

Fotos: Pedro Lemos | Sul Informação

 

Comentários

pub
pub