Exposição sobre a misteriosa Escrita do Sudoeste chega agora a Odemira

A exposição de arqueologia “Quem nos escreve desde a serra?”vai estar patente durante cerca de dois meses, entre 14 de […]

A exposição de arqueologia “Quem nos escreve desde a serra?”vai estar patente durante cerca de dois meses, entre 14 de Agosto e 15 de Outubro, junto à Rotunda do Lagar na vila de Odemira.

Dedicada à Idade do Ferro e às estelas com escrita do Sudoeste, um símbolo privilegiado da herança histórica da serra que separa o Algarve do Alentejo e a mais antiga manifestação de escrita da península Ibérica, que ainda hoje se encontra por decifrar, esta mostra tem por objetivo dar a conhecer ao público em geral este tema e materiais arqueológicos com ele relacionados.

A exposição de rua, que pretende levar o espaço cultural “Museu” para fora das portas, apresenta conteúdos escritos (em português e inglês) devidamente ilustrados e  organizada em temas, nomeadamente a Idade do Ferro, a escrita do Sudoeste, onde habitavam e como viviam e morriam essas comunidades, os seus investigadores e alguns dos conjuntos  arqueológicos conhecidos, nomeadamente a particularidade do conjunto de Odemira.

De forma a complementar esta exposição, são apresentadas abordagens de arte contemporânea sobre a temática, com destaque para a de Philippe Pesaux, pintor e ilustrador radicado em Odemira, bem como dos artistas plásticos Ana Isabel Palma, Ângela Menezes e Menau.

Ângela Menezes criou ainda uma instalação escultórica que representa as vogais da escrita do Sudoeste (AEIOU), realizada com ferro de obra de redes de pesca reutilizadas. Esta revela múltiplas perspetivas conforme o visitante se desloca, havendo ainda uma metamorfose noturna através da sua iluminação “retroiluminada”.

O evento é uma organização da Câmara  Municipal de Odemira, em parceria com a Câmara Municipal de Loulé e do Projeto Estela, que conta com o apoio do Museu Regional de Beja, da Direção-Geral do Património Cultural, do Museu Municipal de Faro e Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.

Comentários

pub
pub