Ambientalistas entregam petição a Assunção Cristas pela proibição da caça à rola-brava

Quatro organizações não governamentais de ambiente – Quercus, Liga para a Proteção da Natureza, FAPAS e SPEA – entregam hoje, […]

rola-bravaQuatro organizações não governamentais de ambiente – Quercus, Liga para a Proteção da Natureza, FAPAS e SPEA – entregam hoje, 28 de Julho, Dia Nacional da Conservação da Natureza, a petição «Rola-brava em extinção – Proibição da caça já!», dirigida à ministra da Agricultura e do Mar Assunção Cristas.

A Rola-comum ou rola-brava (Streptopelia turtur) é uma espécie migradora que, segundo as quatro ONGAs, «está a desaparecer a um ritmo galopante e preocupante em Portugal e na Europa, estimando-se que a sua população tenha decrescido 70% nos últimos 10 anos».

Para piorar a situação, «em Portugal é comum a abertura da caça à rola ser durante o mês de Agosto, período durante o qual existem muitas rolas em nidificação, com crias no ninho e, pontualmente, ovos de posturas tardias ou segundas posturas», acrescentam.

As quatro ONGAs que subscrevem esta petição, que conta com o apoio de mais de 5000 subscritores, consideram que «a irresponsabilidade e insensibilidade demonstrada nesta matéria pelos sucessivos governos pode contribuir, no curto prazo, para uma situação de extinção da Rola-brava em Portugal».

A petição foi lançada no ano passado, tendo a Quercus promovido também uma campanha para a proibição da caça a esta espécie.

Comentários

pub
pub