Portugueses são dos europeus que mais reutilizam e reciclam o que usam

Os portugueses estão entre os consumidores da Europa que apresentam maiores intenções de reciclar muito daquilo que compram. Atualmente, este […]

Os portugueses estão entre os consumidores da Europa que apresentam maiores intenções de reciclar muito daquilo que compram. Atualmente, este já é um comportamento comum a 88% dos consumidores e, no futuro, prevê-se que chegue aos 97%.

São valores muito superiores à média europeia de 63% e 73%, respetivamente. Estes dados fazem parte de uma análise desenvolvida pelo Observador Cetelem sobre o “consumidor europeu em modo alternativo”.

Segundo a mesma análise, a reciclagem enquanto transformação do velho em novo só conquista um tal número de adeptos graças à conjunção de três fenómenos importantes e prolongados.

O primeiro é a crise económica que incita as famílias a aproveitarem as oportunidades económicas para continuar a consumir melhor, mas com menos.

O segundo é o advento da Internet social, que oferece aos consumidores os meios para recriar um laço entre eles.

O terceiro e, não menos importante, é a tomada de consciência ambiental que encoraja os consumidores à reciclagem, em vez da acumulação de produtos em prejuízo do planeta.

Como se pode verificar no estudo, é certo que a reciclagem parece ainda incompatível com o consumo de ostentação sentido, por vezes, na Europa de Leste – interessa a pouco menos de metade na República Checa e na Eslováquia.

No entanto, este modo de consumo colaborativo junta os consumidores ibéricos e germânicos, apesar de não partilharem a priori nem as mesmas emergências económicas, nem os mesmos valores culturais.

«Os móveis recuperados para decorar o apartamento ao estilo vintage sem desembolsar um cêntimo, ou o vestuário para bebés deixado pelas famílias nos pontos de recolha, são exemplos práticos que levaram a reciclagem a seduzir perto de dois terços dos Europeus.

A era do consumismo individual terminou e deixou lugar a um consumo mais comunitário e altruísta», afirma Diogo Lopes Pereira, diretor de marketing do Cetelem em Portugal.

 

Ficha técnica
Para as análises e previsões deste estudo foram inquiridas mais de 6.500 pessoas (pelo menos 500 indivíduos por país, com idade superior a 18 anos) através da Internet, em 12 países Europeus: Alemanha, Bélgica, Espanha, França, Hungria, Itália, Polónia, Portugal, República Checa, Roménia, Reino Unido e Eslováquia.

Os inquéritos foram realizados entre novembro/dezembro de 2012 pelo Observador Cetelem, em parceria com o gabinete de estudos e de aconselhamento BIPE, com base num inquérito conduzido por TNS Sofres.

Comentários

pub
pub