Um livro para ter «O céu nas pontas dos dedos»

Que estrela é aquela que brilha mais do que as outras? Porque é que algumas estrelas só se veem numa […]

Que estrela é aquela que brilha mais do que as outras? Porque é que algumas estrelas só se veem numa dada estação e a partir de uma dada hora? As estrelas também “nascem” e também se “põem” aparentemente como o nosso Sol? E aquele astro errante? É um planeta ou um satélite? Como é que sei orientar-me pelas estrelas para poder sonhar com viagens de descoberta?

A resposta a estas e muitas outras perguntas encontra-se, numa linguagem simples mas rigorosa e metodológica, no livro “O Céu nas Pontas dos Dedos” do astrónomo amador Guilherme de Almeida, publicado em Fevereiro de 2013 pela Plátano Editora.

Este é o oitavo livro do autor do “Roteiro do Céu”, obra publicada em 1996, também pela Plátano Editora (atualmente na 5ª edição e com uma edição em 2004 em língua inglesa pela Springer Verlag-London), título incontornável e pioneiro no panorama da divulgação científica específica à astronomia em Portugal.

Este último livro de Guilherme de Almeida é, muito oportuna e curiosamente, uma excelente introdução às suas obras anteriores, mais densas e específicas.

É um livro muito bem construído e conseguido nos seus objetivos. Possui os elementos e conteúdos fundamentais para uma iniciação segura à observação e contemplação do céu noturno por qualquer pessoa. Mas também é útil ao astrónomo experiente, uma vez que o leitor é brindado com a inclusão no livro de um mui útil planisfério celeste multifuncional, otimizado para observações a partir de Portugal continental e Regiões Autónomas. Destacável e utilizável livremente com as mãos, com ele é possível identificar estrelas e constelações em qualquer data do ano e hora do dia.

Ao longo de três capítulos, curtos quanto baste, Guilherme de Almeida acompanha e guia o leitor aprendiz, passo a passo, com a virtuosa e eloquente paciência dos mestres. No primeiro capítulo, são introduzidos os elementos fundamentais que constroem a linguagem e referenciais da observação astronómica.

O planisfério celeste é explicado no segundo capítulo. No terceiro, o autor exemplifica casos concretos e práticos para o uso do planisfério, as suas funções básicas, e aconselha, como se estivesse ao nosso lado a observar o céu, alguns procedimentos úteis para uma melhor observação astronómica a olho nu.

Por fim, descreve as funções especiais ou avançadas do planisfério celeste, o que encoraja a evolução do principiante amador para o astrónomo desfrutante.

Este livro ganha em rigor e qualidade pela existência de um quarto capítulo que inclui informações complementares e mais avançadas, respostas a perguntas que só surgem de depois da utilização efetiva do planisfério celeste, e um imprescindível glossário com a necessária terminologia astronómica.

Refira-se que o texto está muito bem compaginado com fotos, ilustrações e esquemas que reforçam e complementam a clareza da mensagem textual.

Acrescente-se a existência aqui e acolá de caixas laterais que permitem uma aprendizagem complementar e mais aprofundada ao longo do livro, consoante o interesse e disponibilidade de cada leitor. É um livro que pode ser lido a vários tempos, permitindo uma mesma observação celeste.

Destaquem-se as cinco magníficas fotografias astronómicas da autoria do fantástico foto-astrónomo português Miguel Claro, que acrescentam beleza e informação visual adicional ao livro.

Para saber mais, o livro acaba com indicações sobre outras obras e sítios na Internet onde o leitor poderá saciar o espanto resultante das observações que resultarão, ato contínuo, da leitura deste livro e do uso do planisfério celeste incluso.

Para ver mais, basta ter “O Céu nas Pontas dos Dedos”, com olhos contemplando o cosmos pela janela do nosso horizonte celeste.

 

Autor: António Piedade

Comentários

pub
pub