Walter Benjamin, Tiago Sousa, Osso Vaidoso e Algodão apresentam-se em “Concertos ao Entardecer”

Quatro tardes – uma por mês -, quatro diferentes bandas sonoras com o mesmo pano de fundo: a Ria Formosa. […]

Quatro tardes – uma por mês -, quatro diferentes bandas sonoras com o mesmo pano de fundo: a Ria Formosa. A Associação Cultural ArQuente volta a trazer música à Vila Adentro, no centro da cidade de Faro, com a segunda edição dos Concertos ao Entardecer. Walter Benjamin é o primeiro artista a atuar no dia 28 de abril.

Walter Benjamin, Tiago Sousa, Osso Vaidoso e Algodão são os projetos que vão atuar na Galeria Arco. A começar em abril, os concertos ao entardecer prolongam-se até julho, com uma data por mês, sempre às sete da tarde.

Gil Silva da ArQuente explica que estes concertos serão «num formato descomprometido, com um contato direto com o artista. É uma fórmula que permite desmistificar um pouco o conceito do artista-estrela porque, no fundo, os artistas são pessoas, tal como nós».

Os nomes dos projetos até podem não dizer muito ao público – apesar de Ana Deus ser a vocalista de Osso Vaidoso e de Pacman dos, Da Weasel, se apresentar em “versão Algodão” -, mas para a ArQuente são músicos que têm algo a transmitir ao público e com qualidade.

«Alguns dos nomes são projetos ainda pequenos, mas com potencial para crescer no panorama da música nacional, e que têm uma mensagem para transmitir às pessoas. Além disso são projetos que atuam poucas vezes fora de Lisboa e Porto e têm aqui uma oportunidade de mostrar o seu trabalho ao público algarvio», conclui Gil Silva.

Conheça aqui os projetos que vão participar nos “Concertos ao Entardecer”:

28 de abril – Walter Benjamin
The Imaginary Life of Rosemary and Me é o disco mais pessoal do escritor de canções e produtor Walter Benjamin, que foi editado pela Pataca Discos no dia 9 de Abril.
Com uma biografia desalinhada, Walter Benjamin lançou em nome próprio vários EPs e o álbum The National Crisispela pela extinta editora Merzbau tentando fugir à monotonia dos rótulos.
O novo disco, escrito e gravado entre o calor do Estúdio 15A em Lisboa e um quarto em Londres, é um disco de viagem. As referências vêm de todos os lados mas mantendo o registo muito próprio: de Dylan a Cohen, dos Beatles aos Beach Boys, dos Phoenix aos LCD Soundsystem, de António Carlos Jobim a Chico Buarque, dos Red House Painters aos Wilco e dos Yo La Tengo ao Beck.

26 de maio – Tiago Sousa
Reconhecido primeiramente pelo trabalho desenvolvido com a netlabel Merzbau — que lançou nomes como B Fachada, Lobster, Noiserv, Frango e Walter Benjamin — Tiago Sousa tem revelado nos últimos anos um consistente trabalho artístico a solo. Privilegiando sempre a intuição como premissa essencial do seu método de composição, longe das fronteiras nomeadas pelos géneros e dos academismos formais, tornou-se um dos nomes mais promissores da música portuguesa.

16 de junho – Osso Vaidoso
Osso vaidoso é o novo projeto de Ana Deus, voz (Ban, Três Tristes Tigres) e de Alexandre Soares, guitarra (GNR, Três Tristes Tigres).
Apresentam ao vivo o seu disco Animal, considerado pela Revista Visão um dos melhores discos de música portuguesa de 2011.
Canções simples com textos poderosos de Alberto Pimenta, Regina Guimarães e Valter Hugo Mãe.

14 Julho – Algodão
Pacman, o ex-líder dos Da Weasel, lança um disco a solo.
o álbum vai chamar-se Uma Falaciosa Noção de Intimidade e inclui 12 músicas, criadas a partir de “poemas e prosa poética” do músico.
Pacman descreve mesmo o trabalho como “música para ler”.
“Se as palavras são maioritariamente ditas/faladas, a música ultrapassa a condição de mero suporte para elas. Eu gosto mais de ‘música para ler’ como possibilidade de enquadramento deste disco num contexto geral” Carlos Nobre.
Aldina Duarte e a violinista Francisca Fins participam no disco, lançado em edição de autor sob o nome de Algodão.

Comentários

pub
pub