Projeto «Sul Azul» transformou um poema em nove músicas

Quantas músicas se podem fazer a partir do mesmo poema? Nove, se estivermos a falar do poema Azul de Carlos […]

Quantas músicas se podem fazer a partir do mesmo poema? Nove, se estivermos a falar do poema Azul de Carlos Norton, que serve de base ao projeto «Sul Azul». A Rádio Universitária do Algarve RUA FM lançou o desafio a nove grupos musicais da região para criarem uma melodia e arranjo original para a mesma letra, numa iniciativa inédita na região.

O resultado deste projeto vai ser dado a conhecer em dois espetáculos que vão ter lugar no Teatro Lethes, em Faro, nos dias 14 e 15 de Outubro. Mas no dia 7 de Outubro vão ser lançados dois dos temas originais do CD que será editado e distribuído gratuitamente a partir de 17 do próximo mês, na emissão da RUA FM.

O Sul Informação revela a letra da música (no final da peça) e disponibilizará o CD para download gratuito, assim que este seja oficialmente lançado.

As bandas que participam no «Sul Azul» são Migna Mala, Nobre Ventura, Santa Mouraria, Camaleão Azul, Marenostrum, Vá-de-Viró, Esfinge, Deep:Her e OrBlua. Apesar de partilharem o mesmo espaço geográfico, apresentam sonoridades e percursos bem distintos.

Segundo o autor da letra e da ideia do projeto Carlos Norton, o objetivo principal do «Sul Azul» é dar a conhecer a música que se faz no Algarve fora das suas fronteiras.

A ideia que foi agora posta em prática é bem antiga, «mas ficou durante muito tempo na gaveta». Mas a realidade vivida pelas bandas algarvias e a dificuldade que parecem sentir em afirmar-se fora da região acabaram por a reabilitar.

«Aqui na RUA FM, começámos a ter cada vez mais a perceção que ninguém de fora conhece o que cá se faz. Quando falámos com alguns entendidos da música nacional e lhes perguntámos o que conheciam da música algarvia, a resposta foi quase sempre a mesma: Sei que houve os Entre Aspas, a Viviane continua no ativo e agora há os Ludo a emergir», ilustrou Carlos Norton.

«Numa tertúlia organizada pela RUA discutimos este assunto e havia várias opiniões. Mas o que é facto é que a música algarvia não é conhecida. Então decidi ir buscar a ideia que tinha na gaveta», contou.

«Podíamos ter feito uma compilação de temas, seria mais simples, mas achámos que era possível fazer um grande projeto. Não é a mesma coisa chegar a uma qualquer rádio um disco a dizer Música do Algarve do que  um CD como o do projeto Sul Azul. Decidimos fazer algo que fosse único, para ter mais impacto», disse Carlos Norton.

O processo de seleção das bandas não foi fácil, já que foram centenas as formações musicais consideradas à partida. «Fizemos uma lista com todas as bandas e eliminámos tudo o que estava nos extremos. Mas, mesmo assim, tínhamos uma lista de dezenas de nomes. Foi muito penoso escolher apenas nove, até porque conhecemos pessoalmente a maioria dos músicos», confessou.

«Tentámos escolher bandas com diferentes sonoridades e de diferentes estatutos. Daí termos Marenostrum, uma banda já consagrada e projetos novos, como Santa Mouraria», acrescentou.

O resultado só será conhecido na totalidade dentro de duas semanas, mas Carlos Norton garantiu que ficou bem impressionado com o que ouviu. «Eu dei a letra às bandas e não acompanhei, propositadamente, o processo de criação. Só ouvi as músicas quando estiveram a ser gravadas no estúdio e gostei muito do que ouvi. São todas muito originais, já que cada banda optou por usar o texto base de forma distinta», revelou.

«Este é um produto cem por cento algarvio, já que também o apoio veio todo de entidades da região. Acho que vai ter duas consequências: A primeira é a repercussão que terá no exterior da região. A outra é interna, pois acho que conseguimos fazer com que as bandas começassem a trabalhar mais», disse, ainda Carlos Norton.

Para conhecer melhor este projeto, basta visitar o site www.wix.com/sulazul/ruafm.

 

AZUL

Carlos Norton

 

Lembro-me de um dia atrás

Longe daqui, longe de mim

Sonhava com o azul

Cor cativante, presente e ofuscante

Olho para o céu, para o mar

Recordo-me de um vento suave

Da brisa confortante

Do sal e do sol perdidos

Na praia desmaiada neste sul

 

Olho mais para trás,

Mais do que a memória alcança

Vislumbro trajes e vestes

Versos e rimas

De povos e gentes

Que vieram e ficaram

De raízes e pedra assente.

 

Amálgama de cores, cheiros e sabores

De culturas, memórias e histórias

Onde luzes e sombras encarnam

Mitos e lendas encantadas

Terra que nos acolhes

Nos teus montes, serras e arribas

Sempre virada para o azul

Resplandecendo e sorrindo

Aos passageiros do tempo.

 

Mas na terra chora o velho

De infância caiada pela lua

Já não se lembra, já não conhece

Estes tempos, estes costumes

Sempre apressado o novo chega

Tudo corre, tudo move

E a terra, essa, sempre serena

Estende-se vagarosamente

Ao sabor do eterno azul

Comentários

pub
pub