Câmara de Faro foi alvo de buscas no âmbito da Operação Tutti Frutti

A Câmara de Faro foi, esta quarta-feira, alvo de buscas, no âmbito da denominada “Operação Tutti Frutti”. Fonte da autarquia […]

Foto: Fabiana Saboya/Sul Informação

A Câmara de Faro foi, esta quarta-feira, alvo de buscas, no âmbito da denominada “Operação Tutti Frutti”.

Fonte da autarquia adiantou ao Sul Informação que cinco inspetores da Polícia Judiciária estiveram nos Paços do Município entre as 9h00 e as 17h00 e que, «apesar de não nos ter sido dada essa informação, pensamos que seja algo relacionado com a investigação mais alargada que está a decorrer a nível nacional».

Segundo apurou o nosso jornal, os inspetores pediram vários documentos e o acesso a computadores. «Toda a informação pedida foi facultada», acrescentou a mesma fonte que admite que entre os vários documentos pedidos podem estar contratos públicos.

A Operação Tutti Frutti, desencadeada esta quarta-feira a nível nacional incluiu cerca de 70 buscas em autarquias, em instalações do PSD e do PS, em empresas, escritórios de advogados e casas particulares.

De acordo com a Procuradoria Geral Distrital de Lisboa, que está a dirigir o processo, as buscas foram feitas no «âmbito de um inquérito em que se investigam crimes de corrupção passiva, tráfico de influências, participação económica em negócio e financiamento proibido».

Segundo «os fortes indícios recolhidos apurou-se, no essencial, que um grupo de indivíduos ligados às estruturas de partido político, desenvolveram entre si influências destinadas a alcançar a celebração de contratos públicos, incluindo avenças com pessoas singulares e outras posições estratégicas», acrescenta a Procuradoria.

O Jornal de Notícias adianta que, além da Câmara de Faro, foram alvo de buscas as câmaras de Vila Nova de Gaia, Santa Maria da Feira, Esposende, Vila Nova de Famalicão, Oeiras, Cascais, Loures, Lisboa e Ponta Delgada.

Comentários

pub
pub