Hotel para cães recebe animais de pessoas com Covid-19 ou profissionais de saúde

Pets Inn é sediada em Loulé

E se uma pessoa que vive sozinha com o seu animal for contagiada pelo vírus e precisar de ser internada? E se um casal infetado com covid-19 não puder passear o seu cão? E como pode um profissional de saúde que trabalha tantas horas seguidas ainda ter tempo para o seu animal quando regressa a casa esgotado.

Estas foram questões que assolaram o pensamento de Célia Arraiolos, sócia gerente da empresa Pets Inn, sediada em Loulé, que criou assim um projeto que permite acolher cães de pessoas que estejam a sofrer as consequências da Covid-19.

Com esta iniciativa, Célia Arraiolos espera contribuir um pouco mais para «facilitar a vida tanto aos profissionais de saúde que se encontram totalmente esgotados como aos doentes covid-19 com animais de estimação, independentemente da espécie do animal, aos quais não se conseguem dedicar como gostariam durante o período de convalescença», explica

«As pessoas precisam de ajuda. Estes são tempos muito difíceis em que a saúde é a prioridade, sendo que os animais podem ter de ficar um pouco para segundo ou terceiro plano. E nós estamos muito sensibilizados pelos apelos que temos vindo a receber. Pensei várias vezes em como poderia eu ajudar, tendo o tempo, espaço e alguma disponibilidade para poder tornar a vida destas pessoas um pouco mais fácil», diz ainda.

«Vamos acolher, por um valor simbólico, todos os animais de profissionais de saúde que precisem de uma ajuda, e dar apoio aos animais de doentes covid-19 para que se possam concentrar no restabelecimento pleno da sua saúde enquanto nós cuidamos deles até se recuperarem. É menos uma preocupação que têm e nós sentimos que contribuímos um pouco com a nossa responsabilidade social para a sociedade», considera.

A ideia é simples. Basta mostrar a carteira profissional na área da saúde e residência, ou um teste à covid-19 com o resultado positivo, e é desencadeada de imediato a ajuda à pessoa, mediante a disponibilidade e capacidade. Em troca, é pedido um valor diário simbólico entre os 5 euros e os 7,50 euros, que serve para «ajudar na deslocação ou na limpeza dos espaços do hotel onde ficam alojados», explica Célia Arraiolos.

Já aconteceu durante os últimos meses de pandemia, algumas situações onde os serviços da empresa foram solicitados por estes motivos. «Tivemos um contacto de um casal de idosos estrangeiro que reside no Algarve em que ambos estavam infetados e um deles teve de ser hospitalizado. Com um cão com poucos meses, solicitaram a nossa ajuda porque a dona se sentia completamente exausta», conta.

«Ficamos sempre muito sensibilizados quando acontecem casos de pessoas infetadas que, de repente, se vêm impossibilitadas de providenciar todos os cuidados e colmatar as necessidades básicas dos seus animais. Num momento difícil das suas vidas, o cão pode tornar-se um problema, mas não tem de ser assim, e nesse sentido, estamos dispostos a contribuir para facilitar a vida a quem precise de uma ajuda temporária», afirma.

Quem estiver interessado em usufruir do apoio da Pets Inn poderá solicitá-lo através do telemóvel 915 435 823, o e-mail geral@petsinn.pt, ou via Facebook.

O Pets Inn está aberto todos os dias da semana, entre as 9h00 e as 18h00.

 



Comentários

pub