Grupo de Salvamentos Especiais do Algarve participa em exercício de Busca e Resgate em Penela

Exercício envolve múltiplas equipas de intervenção especializada

Uma força do Grupo de Salvamentos Especiais do Algarve, composta por 18 operacionais dos Bombeiros de Albufeira e de Portimão, com diversas valências e capacidades, nomeadamente Busca e Resgate em Estruturas Colapsadas, está em Penela, onde decorre um exercício que simula os efeitos de um sismo de 8.3 na escala de Richter.

Um cenário de sismo de 8.3 na escala de Richter num país fictício designado por “Bitelandia”, com diversas réplicas e um pedido de ajuda internacional, serve de base a um exercício Livex (Live Exercise) de 24 horas, sem interrupção.

Este simulacro envolverá múltiplas equipas de intervenção especializada, entre as quais a força do Grupo de Salvamentos Especiais (GSE) do Algarve.

«A narrativa que enquadra o contexto operacional vai proporcionar os maiores desafios para o módulo de Busca e Resgate em Estruturas Colapsadas (BREC),  que, pelas 18 horas de hoje, iniciou o seu movimento numa coluna de 5 veículos táticos, composto por uma equipa de comando, duas brigadas de intervenção especial, uma equipa de reconhecimento e avaliação da situação e uma equipa logística de apoio», explicam os Bombeiros de Portimão.

Com total autonomia para sete dias, estes operacionais seguirão a doutrina internacional segundo as linhas orientadoras do INSARAG (International Search and Rescue Advisory Group) das Nações Unidas, para abrir acessos, escorar estruturas, movimentar cargas, progredir em espaços confinados e em estruturas colapsadas, bem como estabilizar e extrair vítimas.

Esta unidade do Grupo de Salvamento Especiais, além da valência em BREC, possui ainda as capacidades de Salvamento Técnico por Cordas, Resgate em Águas Bravas, Mergulho, Resgate em Valas, Elevações de emergência, Desencarceramento ferroviário, entre outras técnicas de salvamento especial, com grande orientação para situações de exceção, nomeadamente acidentes graves ou catástrofes.

«Desde o dia de ontem, altura em que foi simulado o pedido de ajuda internacional, foram testados os mecanismos de mobilização, aprontamento e despacho como se de uma situação real se tratasse, e serão aferidas nas próximas 72 horas as capacidades de comando e controlo, gestão de esforço, interoperabilidade, sustentação logística das operações e sobretudo a resiliência física e psíquica dos operacionais envolvidos», acrescentam os Bombeiros portimonenses.

O complexo teatro de operações estabelecido no concelho de Penela é dinamizado pela Escola Portuguesa de Salvamento, em conjunto com os Bombeiros de Penela, que são os anfitriões no local.

 

Comentários

pub
pub