Crianças de Messines ensinam adultos a reciclar e pedem papel por alimentos

Ideia partiu de um menino de 11 anos

A população de São Bartolomeu de Messines está a ser convidada, por um grupo de crianças, a mobilizar-se pela preservação do ambiente e pela solidariedade. Até 31 de Agosto, é possível entregar papel, que será trocado por alimentos, na Junta de Freguesia e também, no dia 31 de Agosto, no Mercado Municipal da vila, entre as 10h00 e as 12h00.

A ideia partiu de um menino de 11 anos, o Gaspar, que partilhou com os pais e com Carla Benedito, presidente da Junta de Freguesia, a sua preocupação com o facto de os adultos não estarem a separar o lixo a aderir à reciclagem, pondo em causa os recursos e a sustentabilidade do planeta.

Para este menino, «já não é suficiente o que a sua família faz. É necessário, com urgência, levar outras pessoas e famílias a fazê-lo. Este sentido da urgência da ação é o peso com que vivem as crianças do presente, que compreenderam bem que não haverá futuro se não o começarem já a construir», explica o projeto Lugar Comum, que apoia a iniciativa.

A iniciativa para sensibilizar os adultos arrancou no dia 3 de Agosto, com um grupo de crianças, jovens e pais que estiveram junto aos ecopontos da vila a ensinar os mais velhos a separar o lixo.

No dia 17, o grupo de voluntários “transformou-se” em ecopontos móveis e percorreu as ruas antigas da vila, onde reside população mais idosa e com mais dificuldades de mobilidade para recolher e encaminhar os resíduos para os ecopontos, entregando material informativo, cedido pela Algar.

O grupo aderiu também à campanha do Banco Alimentar Contra a Fome: Papel por Alimentos e, com o apoio da Junta de Freguesia, estará a receber todo o papel em fim-de-vida para o entregar no Banco Alimentar do Algarve e transformá-lo em alimentos para quem mais precisa.

Neste caso, os alimentos serão distribuídos pela Casa do Povo de Messines à população carenciada da freguesia.

Quem quiser associar-se à iniciativa pode entrega jornais, revistas, fotocópias, papel de rascunho, livros escolares não reutilizáveis, cadernos, folhetos publicitários, envelopes ou arquivos mortos.

«Não entra no Guiness, mas pode bem bater o seu recorde de entrega de papel para reciclar. É que se a Amazónia não está ao nosso alcance, na nossa casa, na nossa comunidade, no nosso local de trabalho, nos nossos locais de tempos livres é sempre possível escolher, influenciar o rumo dos acontecimentos», conclui o Lugar Comum.

A iniciativa é apoiada pela Junta de Freguesia de São Bartolomeu de Messines, pelo Lugar Comum, pela Algar e pelo Banco Alimentar contra a Fome.

Comentários

pub
pub