Almargem apresenta resultados do estudo de diagnóstico das Zonas Húmidas do Algarve

Estudo foi financiado por candidatura ao Fundo Ambiental

O estudo “Valorização das Zonas Húmidas do Algarve” será apresentado no próximo dia 6 de Junho, às 10 horas, no Auditório da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Algarve (CCDR Algarve), em Faro.

O estudo, promovido pela Almargem – Associação de Defesa do Património Cultural e Ambiental do Algarve, traça um diagnóstico exaustivo de três zonas húmidas da região, nomeadamente a Foz do Almargem e Trafal, em Loulé, a Lagoa dos Salgados e a Foz de Alcantarilha, em Albufeira e em Silves, e as Alagoas Brancas, em Lagoa.

A Almargem salienta que «o projeto surgiu com o propósito de preencher as lacunas de conhecimento científico e socioeconómico das zonas húmidas da Foz do Almargem e Trafal e das Alagoas Brancas e de compilar e aprofundar informação existente, no caso da Lagoa dos Salgados».

O resultado apresenta uma caracterização socioeconómica, geomorfológica e hidrológica destas áreas, bem como a identificação das comunidades de flora existentes, e ainda de avifauna, artrópodes, répteis e anfíbios, realçando a sua importância no contexto ambiental, mas apontando também sugestões de propostas de estratégias de gestão para a sua preservação.

Visando a análise por parte de entidades públicas e privadas, quer a nível local, regional ou nacional, estes estudos «assumem uma elevada importância para a atribuição de um estatuto de proteção para as zonas em causa», acrescenta a associação ambientalista.

O estudo, resultante de uma candidatura aprovada ao Fundo Ambiental do Ministério do Ambiente e Transição Energética, foi coordenado pela Associação Almargem com o apoio de coordenação científica da Sociedade Portuguesa para Estudo das Aves – SPEA, e contou com uma equipa técnica formada por especialistas independentes, bem como de entidades como o Centro de Investigação Marinha e Ambiental da Universidade do Algarve, do Tagis – Centro de Conservação das Borboletas de Portugal e do cE3c – Centre for Ecology, Evolution & Environmental Changes da Universidade de Lisboa.

A sessão será aberta a todos os interessados e contará com a presença ativa de representantes das entidades responsáveis pelo estudo, do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) e dos Municípios de Albufeira, Lagoa, Loulé e Silves.

Os estudos já foram disponibilizados integralmente no sítio da Almargem para consulta, bastando clicar aqui para aceder.

Comentários

pub
pub