São Brás cria Centros Interpretativos da EN2 e Serra do Caldeirão

Obras são da responsabilidade da autarquia

À entrada do futuro Centro Interpretativo da EN2

Dois Centros Interpretativos, um dedicado à EN2 e outro à Serra do Caldeirão, vão abrir, no próximo mês de Julho, no concelho de São Brás de Alportel. 

Estas são duas obras da responsabilidade da autarquia e que já estão a decorrer.

O Centro Interpretativo da EN2, obra com um custo de 60 mil euros, nascerá bem no centro da vila de São Brás de Alportel, perto do Largo de São Sebastião, num «pequeno edifício, que foi uma antiga casa de apoio aos cantoneiros», explicou Vítor Guerreiro, presidente da Câmara de São Brás, ao Sul Informação.

«Era um imóvel que estava devoluto e a autarquia levou algum tempo a adquirir este equipamento, mas já o conseguimos. Decidimos fazer obras para criar aqui um espaço de homenagem a uma estrada tão importante para o concelho de São Brás, até na sua criação, e que contribuiu tanto para o nosso desenvolvimento», considerou o autarca.

Daí a ideia de construir este centro de interpretação daquilo que é a EN2, dedicado «também àqueles que nos visitam», disse.

 

Obras no Centro Interpretativo da EN2

«Felizmente, são cada vez mais os turistas a cruzar a Nacional 2 e esta é mais uma forma de divulgar a história viária do país e da região», acrescentou Vítor Guerreiro.

Neste Centro Interpretativo, haverá, por exemplo, «imagens e utensílios usados pelos cantoneiros», numa forma de «divulgar a história daquilo que é a EN2 no concelho de São Brás, estrada que, até aos anos 60, todos tinham de fazer para chegar o Algarve».

De resto, também está prevista a criação de «um pequeno monumento ou marco alusivo à EN2», adiantou o autarca ao nosso jornal.

Esta foi uma das obras visitadas, na semana passada, por Maria do Céu Albuquerque, secretária de Estado do Desenvolvimento Regional, numa visita que fez a São Brás, bem como ao futuro Museu Zero, em Santa Catarina da Fonte do Bispo (Tavira).

Para a governante, «o Algarve também tem potencial na serra», referindo o trabalho de São Brás como «exemplar», por pegar nos «recursos locais e colocá-los ao serviço da região».

 

Maria do Céu Albuquerque e Vítor Guerreiro

E esta não será a única novidade que o concelho do interior algarvio já está a preparar. É que, para Julho, também está prevista a abertura de um Centro Interpretativo da Serra do Caldeirão, obra que custa 80 mil euros.

«Será no sítio de Parises. Mais uma vez, adquirimos uma casa que estava devoluta para ali instalar um projeto que quer envolver a comunidade. A ideia é que sejam as pessoas de lá a dinamizar o espaço», explicou Vítor Guerreiro ao nosso jornal.

«Queremos dar a conhecer a vida das gentes da Serra do Caldeirão, recriando, em parte, a casa tradicional das gentes da serra, também com painéis explicativos», concluiu o autarca.

As obras dos dois Centros Interpretativos têm financiamento comunitário de 75% no âmbito do CRESC Algarve2020.

 

Fotos: Pedro Lemos | Sul Informação

Comentários

pub
pub