PCP quer que o Governo desbloqueie verbas para remodelação da EB1 nº1 de Silves

Câmara já elaborou um projeto, falta a inclusão da obra no mapeamento de educação do CRESC Algarve 2020

O PCP questionou o Governo sobre as obras na degrada escola EB1 nº1 de Silves , cujo avanço depende da inclusão de um projeto já elaborado pela Câmara no mapeamento da Educação do CRESC Algarve 2020, e exige que as verbas necessárias sejam desbloqueadas.

Paulo Sá, deputado do PCP eleito pelo Algarve, dirigiu um conjunto de questões ao Ministério da Educação, onde pergunta ao Governo que diligências foram tomadas para a inclusão do projeto de remodelação desta escola no referido mapeamento e quando é que se estima que isso acontecerá, bem como quando haverá dinheiro para começar as obras.

O Grupo Parlamentar comunista levou a questão à Assembleia da República depois da Associação de Pais e Encarregados de Educação dos Alunos do Pré-Escolar e Ensino Básico de Silves ter expressado «a sua profunda preocupação com as condições de funcionamento da Escola EB1 de Silves nº1».

«As instalações desta Escola têm sofrido uma degradação constante ao longo de décadas, culminando com o encerramento de um dos dois edifícios onde decorriam as aulas, o qual apresentava risco de colapso», segundo o PCP.

Isto obrigou à transferência de sete turmas de 3º e 4º ano para a Escola EB2,3 Dr. Garcia Domingues, que, segundo os comunistas, não tem as condições necessárias para acolher estas crianças.

«Para dar resposta a este problema, a Câmara Municipal de Silves preparou um projeto de remodelação da Escola EB1 de Silves nº1, no valor de 1,5 milhões de euros, cuja concretização se encontra dependente da sua inclusão no mapeamento da Educação do CRESC Algarve 2020 e da obtenção de financiamento comunitário. Para esse efeito, a Câmara já solicitou à Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares a inclusão deste projeto no referido mapeamento», enquadrou o PCP.

A autarquia silvense – que tem um executivo comunista – pretende executar o projeto em causa «urgentemente», tendo em conta que as obras «são imprescindíveis para garantir condições condignas para a aprendizagem e desenvolvimento dos alunos da escola».

«Exige-se, pois, uma célere e decisiva intervenção do Ministério da Educação no sentido de desbloquear as verbas para a concretização dessas obras», concluiu o Grupo Parlamentar do PCP.

Comentários

pub
pub