Cine-concerto leva Marilyn Monroe, Filipe Raposo e Ricardo Ribeiro a Estoi

“Video Lucem”, que é apoiado pelo 365Algarve, vai para a sua segunda sessão da nova edição

Um filme baseado no famoso quadro “O Fado” de José Malhoa e, ainda, a possibilidade de ver a última película em que participou Marilyn Monroe. Assim vai ser o próximo cine-concerto do “Video Lucem” a realizar-se este sábado, 19 de Janeiro, no Palácio de Estoi (Faro). Na parte musical, Ricardo Ribeiro, Filipe Raposo e Rita Maria prometem uma noite arrojada. 

Como se sabe, esta edição do “Video Lucem”, que começou em Olhão, só vai exibir filmes inacabados, o que, por si só, já é um desafio. A sessão em Estoi não vai ser exceção, mas isso não intimida o pianista Filipe Raposo.

«Tenho a certeza de que nos espera uma sessão muito interessante do ponto de vista musical e cinematográfico, mas este é, claro, um desafio arrojado», confessou ao Sul Informação.

Na tela passarão três filmes: “Something’s got to give”, de George Cukor, “Três dias sem Deus” (Bárbara Virgínia) e “O Fado” de Maurice Mauriaud. Filipe Raposo, Ricardo Ribeiro e Rita Maria vão assegurar a parte musical.

Três Dias Sem Deus

«”O Fado” é um filme incrível, baseado no quadro do José Malhoa, mas, curiosamente, realizado por um realizador francês», explicou Filipe Raposo ao nosso jornal. Nesta obra cinematográfica, como não podia deixar de ser, na parte musical estará Ricardo Ribeiro, conhecido fadista.

Já a segunda película a ser exibida (“Três dias sem Deus”) também tem uma «particularidade histórica interessante». «Este foi o primeiro filme português realizado por uma mulher. A Bárbara Virgínia tinha 22 anos o que faz dela, também, a realizadora mais nova da história do cinema», segundo Filipe Raposo.

“Três dias sem Deus” é de 1946, um ano depois da II Guerra Mundial. «Ainda se vivia uma crise de valores. Em Portugal também passávamos pela longa noite da ditadura… De certa forma, este filme simboliza essa idade das trevas», diz Filipe Raposo.

Certo dia, uma «professora primária chega a uma aldeia perdida na serra e opõe-se a uma mezinha que uma idosa queria fazer a um aluno doente. Acontece que, nessa semana, o padre e o médico da aldeia estão ausentes e conseguimos perceber como, nessa altura, essas eram, de certa forma, as representações de Deus na Terra», diz o pianista em conversa com o Sul Informação.

Filipe Raposo – Fotografia: Nuno Bouça

Por fim, também será exibido “Something’s Got to Give”, cuja curiosidade é ser o último filme em que aparece a atriz Marilyn Monroe. «Quando estive a ver o filme, a sensação que tive foi a de que estava a entrar num local privado, perto do realizador, no back stage a ver a Marilyn sem ser no seu estado de atriz», disse, entre risos, Filipe Raposo.

Questionado sobre se é difícil musicar um filme inacabado, Filipe Raposo foi perentório. «Sinto que a narrativa já está lá. Aquilo que fica é uma espécie de fantasia pessoal que nos leva a acabar o filme, a levar os atores para o fim que desejamos», disse.

Já o facto de o cine-concerto se realizar no Palácio de Estoi, emblemático espaço do concelho de Faro, é visto, por Filipe Raposo, como mais um chamativo. «A arte pode acontecer em qualquer lado, mas há locais mais propícios a que os momentos criem memórias mais especiais», considerou ao nosso jornal.

“O Fado”

Por isso já sabe: se quiser viver um momento, que prometer ser singular, vá à próxima sessão do “Video Lucem”. Os bilhetes custam 7,5 euros e podem ser comprados aqui.

Há, ainda, a possibilidade de ter uma verdadeira experiência cinecultural, através da Eating Algarve Food Tours.

Os preços, neste caso, são de 49 euros, mas incluem um passeio por Estoi, bilhetes para o cine-concerto e conversa com os músicos depois da sessão. Os ingressos, neste caso, podem ser adquiridos aqui.

Comentários

pub
pub