Nova ETAR de Faro/Olhão vai tratar esgotos de um terço da população do Algarve

Nova ETAR usará sistema inovador, que permitirá baixar o consumo energético em 40% e, consequentemente, as emissões de Dióxido de Carbono

Foto: Hugo Rodrigues|Sul Informação

Ocupa muito menos espaço do que as que veio substituir, mas será grande o suficiente para tratar os esgotos produzidos por 115 mil pessoas – cerca de um terço da população do Algarve -, dos concelhos de Faro, Olhão e São Brás de Alportel.

A nova Estação de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) de Faro/Olhão foi inaugurada hoje e fechou um ciclo de investimentos da Águas do Algarve em grandes infraestruturas de saneamento básico, na região algarvia.

«Com esta ETAR e a da Companheira, em Portimão, os esgotos de uma parcela muito significativa da população algarvia ficam, definitivamente, tratados. Fecha-se aqui um ciclo de investimento infraestrutural. Com estes dois projetos, foram investidos cerca de 44 milhões de euros na região», salientou o ministro do Ambiente e Transição Energética João Matos Fernandes, que esteve em Faro para inaugurar o equipamento.

Esta ETAR de última geração permite um nível de tratamento muito elevado, ao ponto da água que de lá sai estar livre de qualquer contaminante e poder, mesmo, vir a ser utilizada para rega.

«A qualidade da água da Ria Formosa, vai, muito depressa, sentir uma grande melhoria e todos estes ecossistemas lagunares vão melhorar bastante. Estamos a falar de uma ETAR com muita capacidade, state of the art no que toca à tecnologia de tratamento», assegurou João Matos Fernandes.

 

Por outro lado, será possível aumentar, em muito, a eficiência energética e diminuir a emissão de CO2 da infraestrutura.

Este melhor desempenho ambiental deve-se ao sistema que será utilizado, o Nereida. «Este sistema tem três caraterísticas principais. Desde logo, permitir a implementação desta infraestrutura numa área menor. Também permite uma grande redução do consumo de energia, em cerca de 40% e, consequentemente, uma grande redução das emissões de Dióxido de Carbono para a atmosfera», segundo Teresa Fernandes, porta-voz da Águas do Algarve.

A nova ETAR também irá acabar, de vez, com o mau cheiro que estava associado às duas estações que veio substituir – as de Olhão Poente e de Faro Nascente. Estas também eram conhecidas pelos problemas ambientais que causavam, tendo em conta que utilizavam lagoas de retenção para tratar as águas residuais.

Isto será possível graças aos «importantes recursos tecnológicos» deste equipamento, que permitem a aplicação «das mais inovadoras soluções num tratamento muito eficiente, sem mau cheiro nem poluição», ilustrou o presidente da Câmara de Faro Rogério Bacalhau, salientando que a construção da ETAR era «um velho desígnio» da autarquia farense.

Já António Pina, o seu congénere de Olhão, lembrou que a necessidade de substituir as velhas estações de tratamento, que usavam lagoas de retenção, era há muito evidente, mas que se tornou imperativa «a partir do momento em que foram desclassificados viveiros na Ria Formosa», devido à poluição.

 

Para inverter esta situação, foi preciso investir cerca de 23 milhões de euros, não só nesta ETAR, mas também numa Estação Elevatória em Olhão e respetiva ligação à infraestrutura principal.

Feitas as obras, a Águas do Algarve já olha para o futuro. «O desafio, a partir de agora, é saber conservar e dedicar-nos à investigação e desenvolvimento», considerou Joaquim Peres, presidente da empresa multimunicipal de abastecimento de água e saneamento básico algarvia.

E já há projetos na calha, nomeadamente a instalação de um parque fotovoltaico num terreno com espaço disponível, junto à nova ETAR, bem como a valorização das lamas, um subproduto do tratamento de águas residuais, através da sua secagem em estufas, um projeto que a Águas do Algarve está «a estudar».

A entrada em funcionamento deste equipamento também abre novas possibilidades no que toca «à fruição do espaço natural envolvente», não só pela população, mas também pela avifauna.

«Ainda estamos a estudar, em conjunto com o Instituto da Conservação da Natureza e Florestas, o que poderemos fazer para a utilização dos espaços envolventes. Para já, fica garantida a possibilidade de alimentação das salinas com água doce, para que a avifauna tenha condições para aqui viver. Também há outro tipo de aves, que precisam de lamas para esgravatar e obter nutrientes, o que também está assegurado», revelou Joaquim Peres.

Comentários

pub
pub