Galp e UAlg unem esforços para «aprofundar conhecimento e inovação no setor energético»

Protocolo prevê cooperação na área das energias, incluindo energias renováveis

A Galp e o Centro de Investigação Marinha e Ambiental (CIMA) da Universidade do Algarve assinaram, esta quarta-feira, um protocolo de colaboração que estabelece as bases para atividades de cooperação entre as duas partes, em particular na área da investigação científica e do desenvolvimento tecnológico.

Segundo a Galp, «tendo como pano de fundo os atuais problemas do clima mundial – em particular as conclusões e objetivos que saíram da Conferência Climática de Paris – a Galp e o CIMA decidiram conjugar o vasto leque de competências e experiência que têm em matéria de projetos ligados ao impacto ambiental, social e económico da valorização de recursos energéticos, para dessa forma aprofundarem o conhecimento e a inovação no âmbito da sustentabilidade».

O protocolo assinado abrange, por exemplo, «a participação conjunta em projetos de investigação de âmbito nacional e internacional; a promoção de atividades de divulgação de ciência através da realização de seminários e conferências com a participação de parceiros internacionais; a criação de mecanismos de partilha de informação e de consulta mútua, tendo em vista a promoção de projetos comuns e o estabelecimento de uma visão crítica e prospetiva para o setor energético; a cooperação na área das energias, incluindo energias renováveis; e atividades nos domínios do ensino e da formação, como a coorientação de teses de mestrado e de doutoramento, a promoção de estágios científicos e técnicos ou cursos de curta duração».

O acordo entre a Galp e o CIMA foi assinado na sala de seminários da Reitoria da Universidade do Algarve, em Faro, e contou com a presença de Carlos Martins de Andrade, diretor da área de investigação e tecnologia da Galp Energia, Paulo Águas, reitor da Universidade do Algarve e Maria João Bebianno, diretora do CIMA.

Criado em 1998, o CIMA é um centro de Investigação multidisciplinar cuja missão é promover o conhecimento e inovação em ambientes costeiros e marinhos.

O centro acolhe 47 doutorados e mais de 80 colaboradores associados de várias universidades e institutos nacionais e internacionais. Os investigadores desenvolvem atividades em quatro objetivos temáticos: processos marinhos e de ecossistemas aquáticos de transição; gestão de ecossistemas e atividades integradoras; processos geológicos multi-escala através da margem continental; e avaliação de riscos e tecnologias para um ambiente em mudança.

Segundo a Galp, «este protocolo é mais um exemplo concreto da rede de parcerias que a Galp tem vindo a desenvolver com o sistema científico e universitário ao longo das últimas décadas, nas mais variadas áreas do conhecimento».

Estas parcerias incluem, «por exemplo, o programa de cooperação universitária Galp 21, que promove o desenvolvimento anual de 21 estudos e projetos de eficiência energética aplicada à indústria por estudantes ou mestrandos da Universidade de Aveiro, do Instituto Superior Técnico e da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto. Desde 2007, este programa já proporcionou mais de 230 estágios a alunos finalistas destas universidades».

A Galp constituiu ainda, em parceria com sete universidades portuguesas, o Instituto do Petróleo e Gás (ISPG), «através do qual promove programas de investigação e doutoramento aplicadas à refinação, bem como programas pós-graduados nas área do desenvolvimento de reservatórios, em parceria com a Petrobras».

Comentários

pub
pub