Galp desiste da exploração de petróleo ao largo de Aljezur

Anúncio foi feito pelo presidente executivo da Galp, numa conferência telefónica com analistas

Foto: Gonçalo Dourado/Sul Informação

A Galp vai desistir da exploração de petróleo ao largo de Aljezur. Carlos Gomes da Silva, presidente executivo da empresa, anunciou a decisão, esta segunda-feira, na conferência telefónica com analistas, segundo avança o Jornal de Negócios.

O líder da Galp disse aos analistas que «em relação a Portugal, tomámos a decisão de abandonar a exploração».

Em comunicado, o consórcio ENI/GALP também já oficializou «a decisão de abandonar o projeto de exploração de fronteira na bacia do Alentejo. Apesar de lamentarmos a impossibilidade de avaliar o potencial de recursos ‘offshore’ [no mar] do país, as condições existentes tornaram objetivamente impossível prosseguir as atividades de exploração».

O consórcio ENI/Galp já tinha assumido, numa carta dada a conhecer pelo jornal Expresso, não ter condições para avançar com o furo de pesquisa de petróleo, ao largo de Aljezur, este ano.

Segundo o Expresso, a missiva foi «enviada à Entidade Nacional do Mercado de Combustíveis, com conhecimento para o Ministério do Mar, Direção-Geral de Recursos Marítimos (DGRM) e Direção-Geral de Energia».

Nesta carta, enviada em Agosto, o consórcio explicava que a suspensão dos trabalhos, decretada pelo Tribunal Administrativo de Loulé, «tem como consequência imediata a impossibilidade legal de realização da sondagem» e que «o adiamento é, uma vez mais, inevitável».

Estes trabalhos de prospeção estavam previstos para Setembro, mas a providência cautelar da Plataforma Algarve Livre de Petróleo impediu que avançassem.

O argumento, na altura, foi, segundo a carta, de que «houve violação pela DGRM das normas da discussão pública», por não ter disponibilizado os estudos de monitorização de cetáceos quando este processo esteve consulta pública.

O contrato em vigor, da ENI/Galp, termina em Janeiro de 2019, sem que possa voltar a ser prolongado.

Atualizado às 14h25 com o conteúdo do comunicado da ENI/Galp.

Comentários

pub
pub