40 anos, 100 viagens: assim é a história de amor entre Margaret Thompson e o Algarve

Britânica viajou pela 100ª vez para o Algarve e teve direito a uma receção calorosa

Já esteve em Lagos, em Armação de Pêra, em Vale do Lobo ou em Albufeira e diz que não há povo como o português. Em 1978, visitou o Algarve pela primeira vez, e, desde aí, Margaret Thompson vem à região pelo menos duas vezes por ano. Esta segunda-feira, 15 de Outubro, foi a 100ª viagem que esta britânica, com 86 anos, fez ao Algarve e até teve direito a um ramo de flores para assinalar a efeméride. 

Quando se encaminhava para a zona de chegadas do Aeroporto de Faro, Margaret estava longe de imaginar a surpresa que estava preparada. Acompanhada pela amiga Katelyn, que trouxe de férias, começou por estranhar o aparato, mas rapidamente percebeu o que se passava.

João Fernandes, presidente da Região de Turismo do Algarve, e Alberto Mota Borges, diretor do Aeroporto de Faro, receberam-na de braços abertos (literalmente) e entregaram-lhe um ramo de flores que fez as delícias da britânica.

«São para assinalar a sua 100ª viagem ao Algarve», explicou João Fernandes. «Eu sei, eu sei. São lindas. Adoro!», respondeu Margaret, sempre sorridente e bem disposta.

Professora primária reformada, esta britânica, natural de Newcastle, já esteve no Algarve em todos os meses. Costuma vir na época baixa, pelo menos duas vezes por ano e sozinha, mas, desta vez, trouxe uma amiga, o que comprova que já se tornou numa embaixadora da região.

«Costumo dizer aos meus amigos para virem. Adoro o estilo de vida no Algarve. Nada é um problema. Eu até digo que a frase preferida dos portugueses é: no problem (sem problema)», gracejou, em conversa com os jornalistas.

Para Margaret, a grande razão que já a fez voltar 100 vezes (!) ao Algarve são «as pessoas». «São sempre honestas e simpáticas, seja onde for», considerou.

Durante as férias, revelou, não dispensa um passeio pela praia e um almoço fora. «Sempre que venho, tenho de ter o meu frango com piripiri e um pastel de nata», disse, entre risos.

Nas últimas vindas ao Algarve, a britânica de 86 anos tem ficado alojada no Luz Beach Apartments, no concelho de Lagos, unidade hoteleira que teve a ideia de fazer esta surpresa a uma fiel cliente.

A inglesa Colette Kent, rececionista, foi quem fez os contactos com a Região de Turismo do Algarve. «Lembrei-me de que podíamos fazer alguma surpresa nesta chegada ao Aeroporto. Tenho desenvolvido uma grande amizade com a Dona Margaret. É uma grande cliente», revelou aos jornalistas.

No início, Colette não contava que o pedido fosse aceite, mas a verdade é que, para sua alegria, foi mesmo. Apesar da presença habitual desta cliente britânica, a rececionista nota que, no Luz Beach Apartments, o mercado do Reino Unido teve «uma ligeira baixa». Segundo o Instituto Nacional de Estatística, só em Agosto houve uma redução de 12,3% de turistas britânicos face ao registado no ano passado.

O Brexit é uma das justificações, processo que Margaret Thompson contesta. «Eu votei para que ficássemos na União Europeia. Estou com medo do que pode acontecer», confessou.

A própria receção a esta britânica apaixonada pelo Algarve teve outro significado devido a isso. «Fá-lo-íamos se fosse um turista doutra nacionalidade, mas, sendo alguém do Reino Unido, há um simbolismo especial», confessou João Fernandes, presidente da Região de Turismo.

Com ou sem saída da União Europeia, certa é a fidelidade que Margaret Thompson tem para com o Algarve. Seja sozinha ou acompanhada, não dispensa a visita regular a uma região que escolheu como a sua de eleição para as férias.

E a próxima vinda (ainda agora cá chegou…) já está marcada: 1 de Janeiro de 2019.

 

Fotos: Pablo Sabater | Sul Informação

 

Comentários

pub
pub