Satélite do programa Copernicus já foi lançado para observação da Terra

O lançamento do primeiro satélite dedicado ao programa Copernicus decorreu ontem, dia 3 de abril, com sucesso, a partir do […]

O lançamento do primeiro satélite dedicado ao programa Copernicus decorreu ontem, dia 3 de abril, com sucesso, a partir do Centro Espacial da Guiana. O lançamento decorreu às 23h02, hora de Bruxelas.

Copernicus, o Programa de Observação da Terra da UE, assegurará a observação e a monitorização permanentes dos subsistemas da Terra, da atmosfera, dos oceanos e das superfícies continentais, fornecendo informações fiáveis, validadas e certificadas que servirão para fundamentar uma ampla gama de aplicações e decisões em matéria de ambiente e segurança.

Este lançamento assinala um marco fundamental na vida do Copernicus. Os serviços operacionais terão ao seu dispor, de imediato, dados específicos de observação da Terra.

Copernicus assistirá as funções vitais de monitorização do ambiente e da segurança, fornecendo dados de observação da Terra. As informações recolhidas por este satélite permitirão melhorar significativamente a segurança marítima, o acompanhamento das alterações climáticas e a assistência em situações de emergência e crise.

O vice-presidente da Comissão Europeia @Antonio Tajani, responsável pela Indústria e o Empreendedorismo, declarou: «O espaço é uma prioridade para a União; o orçamento dos programas Copernicus e Galileo, os dois grandes programas espaciais europeus, está garantido para os próximos sete anos. Quase 12 mil milhões de euros serão investidos em tecnologias espaciais. É minha prioridade garantir que este orçamento multiplique os benefícios que os cidadãos europeus venham a tirar dos nossos programas espaciais».

 

Sentinel 1

Sentinel-1 é a primeira das seis missões previstas no quadro do programa Copernicus. A missão Sentinel-1 é composta por uma constelação de dois satélites em órbita polar, Sentinel-1A e Sentinel-1B, que partilham o mesmo plano orbital e funcionam dia e noite para recolher imagens por radar de abertura sintética (SAR).

O satélite Sentinel-1A opera em quatro modos de imagem com diferentes resoluções (até 5 m) e cobertura (podendo atingir 250 km), que permitirão uma monitorização fiável e repetida de uma vasta área.

Foi concebido para funcionar num modo pré-programado, recolhendo imagens de alta resolução de todas as massas continentais, zonas costeiras e vias marítimas, abrangendo todos os oceanos. Desta forma, garante a fiabilidade do serviço exigida pelos serviços operacionais e a constituição de arquivos de dados coerentes e duradouros para as aplicações baseadas em séries cronológicas longas.

Os serviços do Sentinel-1A incluem as seguintes aplicações:

>>Monitorização das zonas de gelo e do ambiente do Ártico
>>Monitorização do ambiente marinho, incluindo o controlo dos derrames de petróleo e a deteção de embarcações no âmbito da segurança marítima
>>Monitorização dos riscos relacionados com a dinâmica dos solos
>>Cartografia das superfícies terrestres: florestas, água e solos, agricultura sustentável
>>Cartografia em apoio de ajuda humanitária em situações de crise
>>Monitorização do clima

 

Regulamento Copernicus

O Regulamento Copernicus, relativamente ao qual o Conselho de Ministros da UE e o Parlamento Europeu chegaram já a acordo político, define os objetivos, a governação e o financiamento (cerca de 4,3 mil milhões de euros) do programa para o período de 2014 a 2020.

 

Copernicus gera oportunidades comerciais

O programa Copernicus ajudará as empresas europeias a criar novos empregos e oportunidades comerciais, designadamente nos serviços de produção e disseminação de dados ambientais, bem como na indústria espacial propriamente dita.

De forma indireta, vários outros setores económicos (transportes, petróleo e gás, seguros e agricultura) poderão tirar partido de dados de observação da Terra exatos e fiáveis.

Estudos realizados demonstram que o Copernicus poderá gerar benefícios económicos na ordem dos 30 mil milhões de euros e criar cerca de 50 000 empregos na Europa até 2030.

Além disso, o regime de livre disseminação dos dados do Copernicus e das informações dos seus serviços ajudará os cidadãos, as empresas, os investigadores e os decisores políticos a integrar uma dimensão ambiental em todas as suas atividades e procedimentos de tomada de decisão.

As atividades espaciais favorecem já atualmente o desenvolvimento de um mercado de produtos e serviços por satélite, proporcionando empregos altamente qualificados de que a nossa indústria terá necessidade para prosperar, hoje e no futuro.

 

 

Comentários

pub
pub