«A comédia do ano» estreia a 27 de Setembro nos cinemas e tem muito de algarvio

A maior parte do filme foi gravado no Algarve, juntando um elenco de luxo para mais uma película do jovem realizador André Badalo

Toda a história gira em torno dos Dias, uma família que «enlouquece com a crise». Numa manhã de nevoeiro, um dos elementos da família, o jornalista Sebastião, descobre que há um plano para vender Portugal. Jéssica Fatinha, a primeira-ministra messias, está por detrás da ideia, mas até promete salvar o país. “Portugal não está à venda” é a nova comédia do realizador algarvio André Badalo, que estreia nos cinemas a 27 de Setembro e promete fazer «rir à gargalhada, mas também chorar de emoção». 

Há muito tempo que o jovem, mas premiado, cineasta queria fazer uma comédia. Pegando naquilo que foram também as suas vivências pessoais durante o tempo da crise, descobriu um tema que «nos toca a todos»… e fez-se luz.

«Muita gente me pergunta se este é um filme político. Não é. É uma comédia sobre uma família, mas a mensagem toca-nos a todos. Todos enlouquecemos com a crise, de alguma maneira. A mim, aconteceu-me ao ver os meus amigos a terem de emigrar para arranjar emprego ou ao ver famílias a ficarem sem casa», diz, em entrevista ao Sul Informação. 

André Badalo e Pedro Teixeira nas gravações

Daqui nasceu “Portugal não está à venda”, «um filme baseado em 10 milhões de histórias reais ou quase surreais».

«Há de tudo, desde um jornalista a fazer-se passar por um mascote de galo de Barcelos num jogo de futebol, a tias que são dadas como mortas ou primas cabeleireiras a fazerem-se passar por duquesas. A provocação tem um lado surreal, mas agarrámos em histórias reais, dando-lhes um toque de exagero», explica.

Esse extrapolar da realidade, garante André Badalo, vai levar «todos a rir». «Toda a gente vai chorar a rir, mas também se vai chorar de emoção, garanto. É fácil identificarmo-nos com situações do filme que também nos afetaram», diz.

No fundo, a comédia quer também satirizar aquilo que foram os anos da crise em Portugal, com todas as suas contrariedades. O filme não tem uma mensagem derrotista, ainda assim.

«Enlouqueceram-nos a tal ponto que nós somos capazes de tudo. Já não nos enganam mais. Estas histórias são ridículas, mas são verdadeiras e não podemos deixar que isto nos volte a acontecer, porque isso, sim, é que seria ridículo», refere o realizador.

E que histórias são essas? Bem, há, por exemplo, um agente funerário que recebe uma carta do Serviço Nacional de Saúde a alertar para o facto de que o medicamento de que precisa para sobreviver vai acabar no país. Ou um jornalista que se vê a braços com uma história de que há angolanos interessados em comprar uma estação de televisão.

«Onde é que já vimos isto tudo?», pergunta André Badalo, sem esconder a ironia.

Cena de “Portugal não está à venda” gravada em Loulé

O filme foi, quase na totalidade, rodado no Algarve, uma opção do realizador e de dois outros membros da equipa: os algarvios Vera Casaca e João Raposo.

Os sítios foram escolhidos «minuciosamente», com a trama a passar por Olhão, Fuzeta, Loulé, São Brás de Alportel, Tavira ou Sagres. «Tens tanto o lado mais da serra, como outro mais piscatório, romântico ou luxuoso. O Algarve ainda não é um local muito utilizado para a rodagem de filmes e achei importante fazê-lo cá, dando também a conhecer a região», explica.

«Foi fantástico conseguir ter o apoio dos Municípios. Ajudaram-nos na estadia, na alimentação e até em termos logísticos. Houve casos giríssimos. Tivemos atores como a Dalila Carmo e a São José Correia a estagiar num salão de cabeleireiro, em Olhão, e elas próprias tornaram-se olhanenses», diz, entre risos, André Badalo.

O elenco é, de resto, um dos chamarizes deste filme. Na comédia, participam atores como Pedro Teixeira, Rita Pereira, Ana Zanatti, Maria Vieira, Dalila Carmo, São José Correia, Isabel Ruth e até Diogo Piçarra, Luís Represas e a Ala dos Namorados.

Juntar tanta gente (e de renome) pode parecer difícil à partida, mas André Badalo garante que não foi. «O guião atraiu os atores. Há muito potencial na receção do filme por parte do público e os atores perceberam isso. Todos eles se identificaram com a história», explica o realizador.

Quanto ao elenco, garante, «é mesmo o maior que já tivemos numa comédia portuguesa». «São atores de vários estilos e linguagens. É engraçado ter, por exemplo, a Rita Pereira, muito conhecida do grande público, com a Isabel Ruth, uma diva que participou nos “Verdes Anos”, do Paulo Rocha», diz.

Mas nem só de grandes nomes se faz este filme. É que André Badalo também andou à procura de voluntários algarvios e deu-lhes papéis de relevo na película. «O que me importa é a qualidade. Não dei apenas papéis de figurante. Descobri uma algarvia num grupo de teatro em Messines, por exemplo, que vai ser a empregada num hotel onde a Dalila do Carmo e São José Correia fingem ser duquesas», explica.

Quanto à estreia, já está marcada para dia 27 de Setembro nos cinemas. A antestreia será dois ou três dias antes, em Lisboa, mas a ideia também passa por fazer sessões especiais no Algarve.

André Badalo

A distribuição será da NOS/Lusomundo, algo que ajuda a que o filme chegue a muitas salas de cinema em todo o país. O orçamento da película foi, por sua vez, de cerca de 1 milhão de euros… tudo sem apoios (à exceção dos municípios onde o filme foi rodado).

«Podia fazer, a esse propósito, a declaração queixinhas, mas acho que, de repente, começa a haver realizadores novos e há novas sinergias, bem como vontade de mudar as coisas», comenta André Badalo.

Fazendo uma retrospetiva do que foi o trabalho de dois anos a preparar este filme, o realizador algarvio não esconde o entusiasmo para que a película finalmente seja estreada nos cinemas.

«Se foi difícil? Praticamente fizemos a III Guerra Mundial para conseguir realizar o filme. Demorou imenso tempo para reunir a equipa, o elenco e todas as condições. Temos um grande projeto e esta vai ser, de certeza, a comédia do ano», conclui. Agora só falta mesmo a estreia, para que o público possa conhecer este novo filme português.

 

 

Comentários

pub
pub