Terra de Maio voltou a juntar o melhor do Baixo Guadiana no Azinhal

Produtos locais, com a cabra algarvia como símbolo máximo, gastronomia, tradição e até algumas propostas mais exóticas foram os ingredientes […]

Produtos locais, com a cabra algarvia como símbolo máximo, gastronomia, tradição e até algumas propostas mais exóticas foram os ingredientes de mais uma edição da feira “Terra de Maio” que decorreu entre sexta e domingo, no Azinhal, concelho de Castro Marim.

O espaço multiusos desta aldeia do Sotavento volta a ser palco de um certame onde as riquezas locais e aqueles que as produzem são as estrelas. E se a cabra algarvia e tudo o que a envolve são a grande inspiração da feira, há espaço para muito mais, como o gastronomia e o artesanato local.

Este ano, revelou ao Sul Informação a vice-presidente da Câmara de Castro Marim Filomena Sintra, também foi dado espaço à inovação.

«Apostámos em novos empreendedores, associados aos produtos locais. Temos, por exemplo, o novo  serviço de veterinária móvel, um projeto de um jovem veterinário. Também temos outros projetos que estão aqui a ser lançados, como a nova crepeira e as sangrias baseadas em produtos locais», disse Filomena Sintra.

«Acima de tudo, queremos que esta feira valorize o que de melhor se produz nesta região do Algarve. Tentamos ter iniciativas inovadoras, para, por um lado, atrair novos visitantes ao interior algarvio e, por outro, projetar de outra forma esses produtos, que nós achamos que têm de ser acarinhados», acrescentou.

Tudo isto parte «da cabra algarvia, uma raça autóctone, cujos produtores têm uma associação sediada aqui no Azinhal, no concelho de Castro Marim», precisamente no local onde decorre a feira.

Outra componente importante do certame foi a animação, que passou por demonstrações culinárias, degustação de produtos regionais e por música.

Neste último caso, houve fado, que foi trazido pela iniciativa Algharb.Come, da associação de jovens Backup, um projeto apoiado  pelo “365Algarve” que junta a gastronomia do Baixo Guadiana ao fado e ao flamenco. Na feira castro-marinense, esteve presente a fadista Raquel Tavares, que atuou no sábado.

O “Terra de Maio” teve “365Algarve” em dose dupla, uma vez que o programa de animação turística e cultural da região na época baixa também apoia o “Cabrarte”, no âmbito do qual «as cabrinhas em fibra de vidro que estão espalhadas pelo recinto andaram pelo Algarve acompanhadas por um grupo de teatro de Salir», a promover a feira.

E se a cabra algarvia foi rainha, não deixou de ter a companhia de outros representantes do mundo animal, como javalis, lebres e perdizes, mas também bufos reais, corujas e papagaios, que posaram para a fotografia com visitantes.

 

Comentários

pub
pub