pub
Imprimir

Joaquina Matos anuncia habitação municipal, saneamento e património como prioridades de Lagos

Mais habitação municipal, mais exigência na recolha de resíduos, requalificação das infraestruturas de saneamento básico, investimento no parque escolar e no património histórico, conclusão da 3ª fase do anel verde, requalificação da Ponta da Piedade, promoção da mobilidade no centro histórico, reforço da rede de transportes públicos regionais, novas competências. Estas são as prioridades da Câmara de Lagos para os próximos quatro anos, segundo anunciou ontem, no seu discurso de tomada de posse, a reeleita autarca socialista Joaquina Matos.

A presidente da Câmara viu a sua maioria reforçada, garantindo cinco dos sete lugares na vereação (Joaquina Matos, Hugo Pereira, Jorge Reis, Sara Coelho e o estreante Luís Bandarra Reis), enquanto a oposição ficou com os restantes dois, um para Nuno Serafim, da coligação PSD/CDS/MPT, e outro para Luís Barroso, do movimento independente «Lagos com Futuro».

Joaquina Matos, no seu discurso, salientou que o crescimento de vários setores económicos no concelho, em especial o turismo, tem criado «maior oferta no mercado de trabalho». Mas, para os lacobrigenses e para as pessoas que possam vir para Lagos trabalhar, falta «mais habitação». Por isso, anunciou, «essa é uma área que vai exigir de nós mais atenção», de modo a «proporcionar casa a quem dela necessita».

Na área da recolha dos resíduos, a presidente da Câmara disse que irá ser reforçado o «plano de atuação» e que o município irá «exigir à Algar que reforce a recolha» dos resíduos recicláveis.

Quanto à requalificação das infraestruturas de saneamento básico, trata-se de investimentos que já estão a avançar: «começará em breve a requalificação no Bairro Operário».

No parque escolar do concelho, vão continuar as obras, nomeadamente na freguesia da Luz e na parte antiga da Escola de Odiáxere.

No que diz respeito ao património histórico, Joaquina Matos falou nos investimentos previstos e já em andamento, no museu e nas muralhas de Lagos. Na cidade, será ainda concluída «a terceira fase do anel verde».

A presidente da Câmara não esqueceu as obras da Ponta da Piedade, que tanto têm sido contestadas nos últimos tempos. E prometeu: «continuaremos a requalificação da Ponta da Piedade», que apresentou como uma «intervenção sustentável», «dirigida à requalificação do espaço». Um dos objetivos, recordou, é «qualificar o percurso», nomeadamente «criando zonas de estadia, em madeira, sobrelevadas e com zonas de sombreamento».

 

Todos os membros do executivo da Câmara de Lagos – Luís Bandarra Reis (PS), Nuno Serafim (PSD), Jorge Reis (PS), Joaquina Matos (presidente da Câmara, PS), Hugo Sequeira (PS), Sara Coelho (PS) e Luís Barroso (independente)

No campo da mobilidade, a autarca socialista, no seu discurso de tomada de posse, falou da aposta na «mobilidade no centro histórico», bem como na criação de uma verdadeira «rede de transportes públicos regionais», e ainda nas «ciclovias e ecovias».

Outro aspeto abordado foi o das novas competências que o Estado central se prepara para transferir para as autarquias. «Aceitaremos esse desafio. A nossa maior proximidade às pessoas permitirá dar as melhores respostas», nomeadamente em áreas como a Saúde, afirmou a presidente da Câmara.

De resto, sublinhou, a autarquia irá «continuar a trabalhar, a projetar e a realizar».

Joaquina Matos não se esqueceu de deixar uma palavra para os municípios vizinhos de Vila do Bispo, cujo presidente reeleito estava presente na cerimónia, e de Aljezur, que, com Lagos, constituem a Associação de Municípios Terras do Infante, que tem desenvolvido muito «trabalho conjunto», em especial «na prevenção dos fogos florestais».

Lagos será também voz ativa na Comunidade Intermunicipal do Algarve, a AMAL, onde Joaquina Matos diz que continuará a defender a «abolição das portagens» na Via do Infante, os investimentos na Saúde e nas Acessibilidades.

 

Todos os membros da Assembleia Municipal de Lagos

Por seu lado, o também socialista Paulo Morgado, que era presidente da Assembleia Municipal e foi ontem reeleito, sem surpresas, fez questão de salientar o facto de «mais forças políticas estarem representadas na Assembleia Municipal, o que é positivo». Além da eleição, pela primeira vez, de um elemento do PAN, sublinhou que se trata «da representação, maior e nunca antes vista, de forças políticas», o que é «um suplemento de qualidade».

Paulo Morgado também se referiu à questão das novas competências que serão transferidas para as autarquias: «o Estado central vai dar oportunidade a que as autarquias façam melhor o que o Estado central não faz tão bem».

Outro grande desafio, defendeu, é «o aprofundamento da transparência dos órgãos municipais», bem como o aprofundamento da participação mais direta dos cidadãos.

«Alguns, a única participação que fazem é nas redes sociais, a criticar. Mas queremos que os cidadãos se envolvam mais nas decisões e nos Orçamentos Participativos», afirmou o presidente reeleito da Assembleia Municipal de Lagos.

Paulo Morgado falou, a terminar, no «dever que todos os órgãos e todos os eleitos têm uns para com os outros, que é o dever de colaborar uns com os outros no sentido de construir melhores soluções». Isto não implica o fim das oposições, antes pelo contrário: «é muito importante que exista oposição, mas que tenha ideias e participe de forma ativa».

Na cerimónia, que decorreu no auditório Duval Pestana do Centro Cultural de Lagos, com a sala a abarrotar de gente, houve tempo para três momentos culturais, com gente da terra: primeiro houve a atuação da Orquestra Juvenil de Guitarras do Algarve, depois Sofia Furtado declamou poemas de Sophia de Mello Breyner e de Natália Correia, e, finalmente, a Associação de Dança de Lagos presenteou a plateia com três pequenos apontamentos, com quatro jovens bailarinos.

Na sala, além dos três anteriores presidentes de Câmara eleitos em Lagos depois do 25 de Abril – José Alberto Baptista, pelo PS, José Valentim Rosado, pelo PSD, e Júlio Barroso, pelo PS -, esteve ainda o presidente reeleito da Câmara Municipal de Torres Vedras – Carlos Bernardes, que hoje toma posse -, município geminado com a cidade algarvia, graças ao padroeiro comum, São Gonçalo de Lagos.

 

Fotos: Elisabete Rodrigues|Sul Informação

Comentários

pub