pub
Imprimir

Esforço, dedicação e carinho criam campeões em Pechão

Ana Cabecinha_Paulo MurtaSão 3 a 5 horas de treino diárias, 7 dias por semana, durante praticamente todo o ano, a que se tem de juntar o tempo em competição e os estágios, sempre que há condições para os realizar. Foi com esta receita que o treinador Paulo Murta, do Clube Oriental de Pechão, cozinhou a campeã Ana Cabecinha, a mais destacada marchadora portuguesa da atualidade, e que pretende continuar a aplicar, para potenciar muitos outros jovens promissores que treinam no clube, muitos dos quais já detentores de títulos.

No fundo, tudo passa por esforço e dedicação, algo que Ana Cabecinha tem mostrado desde que começou a treinar, com 11 anos. Mas há também uma boa dose de carinho envolvida, que chega «das pessoas de Pechão, do concelho e da região», salientaram a atleta e Paulo Murta, numa conversa com o Sul Informação.

«No desporto, não há sorte, há trabalho. E trabalhamos muito para ter sorte. São muitas semanas, muitas horas semanais, muitos quilómetros percorridos. A Ana faz cerca de 7 mil quilómetros por ano, entre corrida e marcha. Treina muito próximo das 50 semanas e tem um média de 13 treinos por semana. É uma atleta profissional», ilustrou Paulo Murta.

A atual campeã nacional (3 mil e 10 mil metros em Pista Coberta e Pista Ar Livre) e detentora do recorde nacional de 20 quilómetros marcha voltou há pouco dos Jogos Olímpicos do Rio 2016 e trouxe na bagagem um diploma olímpico, fruto de um excelente 6º lugar na prova de marcha atlética, o melhor resultado de sempre para Portugal numas Olimpíadas, nesta modalidade.

Ana Cabecinha

Para lá chegar, Ana Cabecinha teve de se dedicar a fundo, enfrentar algumas contrariedades e até de sofrer, mas não se arrepende. «Para mim, o balanço destes últimos quatro anos só pode ser positivo. Muita coisa mudou, começámos a trabalhar de forma diferente e os resultados estão à vista. Fomos finalistas em mundiais e europeus, fui 4ª no mundial de 2015 e 6ª no Rio 2016, fui campeã de Portugal e bati recordes. Tudo graças à equipa, porque não fui só eu», resumiu a atleta.

«Este ciclo olímpico foi diferente dos anteriores (Pequim 2008 e Londres 2012). Depois de Londres, pensámos que a maturidade e anos de prática da Ana já obrigavam a que lá estivéssemos de maneira totalmente diferente. Evoluímos quer no treino em si, quer com a criação de uma equipa multidisciplinar, que tem estado a trabalhar connosco, coisa  que até aí pouco ou nada existia», segundo Paulo Murta.

E isso notou-se nos resultados. «Desde 2012, só em poucas provas é que a Ana não ficou no top 10. Na maioria delas ficou no top 8, que é considerada finalista», disse o treinador algarvio.

Para muitos, ver uma atleta de um pequeno clube de uma aldeia de Olhão conseguir um resultado excecional nas Olimpíadas, pode causar estranheza. Mas, para marchadora e treinador, aquilo que não se ganha em termos de retorno financeiro, que seria possível através do vínculo a um grande clube, é compensado pela envolvência e pelo apoio que chega de quem está mais próximo, também eles um capital a ter em conta.

«Tivemos propostas ao longo dos anos para ir para o FC Porto, Sporting e Benfica. Foi sempre tudo muito ponderado e sempre recusei. O Pechão é o clube de paixão e não sinto que por estar a ele vinculada não tenha os mesmos apoios que teria num clube grande», contou Ana Cabecinha.

Ana Cabecinha recebida em festa no Pechão_16

Uma convicção que é partilhada por um dos nomes maiores do atletismo português. «Em 2008, a Rosa Mota esteve a falar comigo e ainda hoje ela fala comigo sobre isso, dizendo que não interessa estar num clube grande. Ela também esteve sempre num clube pequeno e não deixou de conseguir o que conseguiu por isso. Disse-me para me manter sempre ligada às minhas raízes, onde me sentia bem, e não ir atrás da ilusão do dinheiro e de um clube grande. Nunca me esqueci das palavras que ela me disse», recordou a marchadora algarvia.

No ano passado, voltou a encontrar-se com Rosa Mota, vencedora da maratona feminina nos Olímpicos de Seul em 1988 e bronze nos JO de Los Angeles 1984, na meia-maratona de Quarteira. «Veio ter comigo e disse que ficava feliz por ver que ainda continuava no Oriental de Pechão», acrescentou.

Até porque o retorno, em termos afetivos, é bem grande, quando se representa um clube de menor dimensão. «Em 2008, chegámos a Lisboa ao mesmo tempo que o Nelson Évora, que tinha sido campeão olímpico no triplo salto. Estavam lá cerca de 80 pessoas à espera dele, a maioria amigos. No dia seguinte viemos para o Algarve e estavam cerca de 150 pessoas à nossa espera, que nos acompanharam em festa até ao Pechão. A forma como foi carinhosamente recebida não tem preço», considerou Paulo Murta.

É neste ambiente que Ana Cabecinha vai procurar preparar-se da melhor forma para os Jogos Olímpicos de 2020, onde acredita que poderá garantir uma medalha que deseja «mais do que ninguém».

Comentários

pub
pub

Em foco

pub
Logo Lugar ao Sul
pub
pub