Atenção: Há quem esteja a pedir fotografias de mamas para “diagnosticar” cancro

Convocatórias da ARS Algarve para rastreios são sempre feitas através de carta

Uma pessoa que se faz passar por responsável pelo programa de rastreio de cancro da mama da ARS Algarve está a contactar mulheres na região, através de chamadas telefónicas, pedindo-lhes fotografias dos seios como forma de “diagnóstico” da doença. A ARS Algarve já veio a público garantir que irá participar o caso às autoridades.

Segundo apurou o Sul Informação, as mulheres estão a ser contactadas nos concelhos onde se encontra a Unidade Móvel de Saúde que faz os rastreios gratuitos de cancro da mama, promovidos pela ARS. A Unidade, neste momento, encontra-se em Albufeira, sendo que, pelo menos um dos casos reportados ocorreu em Olhão.

A Administração Regional de Saúde, em comunicado, já veio alertar a população para ter «especial atenção em relação à realização de falsos rastreios do cancro da mama efetuados, através de chamadas telefónicas fraudulentas».

O Núcleo de Rastreios da ARS Algarve diz que «teve conhecimento de que têm sido realizadas, nas últimas semanas, chamadas telefónicas para utentes da região, em nome do Rastreio do Cancro da Mama».

Segundo a entidade, «a pessoa que contacta intitula-se como médica e responsável pelo programa de rastreio da ARS Algarve e solicita dados pessoais e procedimentos que nada têm a ver com o Programa de Rastreio do Cancro da Mama no Algarve», nomeadamente, segundo apurou o nosso jornal, o envio de fotografias dos seios como forma de “diagnosticar” a doença.

A ARS considera que «os atos denunciados pelas nossas utentes» são «suscetíveis de afetar a confiança da população nos rastreios legítimos efetuados no âmbito dos programas do Ministério da Saúde, com o intuito de promover a prevenção e deteção precoce de determinada doença» e irá participar «às autoridades competentes as referidas ocorrências».

Esta não é a primeira vez que há fraudes que envolvem rastreios. Em 2002, em São Bartolomeu de Messines, várias mulheres foram contactadas por uma alegada médica que lhes ordenou que saíssem para a rua e se despissem para que lhes pudesse ser feita uma mamografia por satélite.

Também, mais recentemente, várias pessoas foram contactadas para alegados rastreios de AVC, que afinal serviam para vender produtos, como colchões. A ARS Algarve participou, na altura, a situação à ASAE.

O Programa de Rastreio do Cancro da Mama no Algarve, efetuado em parceria com a Associação Oncológica do Algarve e o Centro Hospitalar Universitário do Algarve, começou em Setembro de 2005 e percorre todos os concelhos do Algarve.

O rastreio é feito a todas as mulheres dos 50 aos 69 anos, inscritas nos Centros de Saúde, sendo que a ARS Algarve realça que «são sempre contactadas por carta enviada pelo Núcleo de Rastreios da ARS Algarve, com a marcação/convite para realização de mamografia digital 3D com Tomossíntese gratuita na Unidade Móvel de Saúde».

Segundo a Administração Regional de Saúde, «só em casos excecionais podem as utentes serem contactadas por telefone, mas apenas para reforço da marcação de rastreio, e nunca para solicitar informações pessoais às utentes de qualquer teor».

A ARS acrescenta que «as ações de rastreio promovidas pela ARS Algarve junto da população são sempre publicitadas no seu site da Internet, divulgação essa que pode ser complementada através de cartazes, mas nunca por contacto pessoal, designadamente telefónico».

Em caso de dúvida em relação a rastreios ou sobre procedimentos do Núcleo de Rastreios da ARS Algarve, pode ser contactada a linha de atendimento 289889912 ou o email rastreio.oncologico@arsalgarve.min-saude.pt.

Comentários

pub
pub