Empresa algarvia faz viajar por casas e hotéis sem sair do lugar

UNKN tem escritório no centro empresarial do CRIA – Divisão de Empreendedorismo e Divisão de Tecnologia da Universidade do Algarve

Já imaginou como seria ver um quarto de hotel ainda antes de lá entrar? Ou viajar pela casa dos seus sonhos sem nunca a ter visto? É isto que faz a empresa UNKN, sediada no centro empresarial da Universidade do Algarve. Através de visitas virtuais, dá a conhecer espaços a potenciais clientes nas áreas da hotelaria e do imobiliário, numa ferramenta que «é o futuro» destes setores. 

Marcos Soares é o rosto da UNKN, nascida em 2016. Tal como em tantas outras empresas, esta nasceu após a identificação de uma lacuna no mercado.

«Reparei que havia uma escassez de oferta de soluções tecnológicas para marketing, especialmente no Algarve», diz, em entrevista ao Sul Informação. 

«Começámos como mais uma agência web, que fazia websites, marketing digital e conteúdos com drone. No entanto, a ambição foi sempre fazer mais do que isso, procurando oferecer soluções inovadoras e até desconhecidas ao mercado. Daí o nome UNKN – Unknown (desconhecido, em inglês)», explica.

Posto isto, nos últimos meses, a empresa focou-se na criação de uma marca: a REDS (Real Estate Digital Solutions), posicionando-se como uma empresa de serviços tecnológicos para o setor imobiliário.

 

 

E é aqui que entra, então, a grande inovação trazida para o mercado. «Fazemos visitas virtuais, captação de foto e vídeo, soluções de realidade virtual e aumentada, acompanhamento de obras com imagem aéreas ou inspeção de poços mineiros com vídeo 360º», explica Marcos Soares.

Ao nível de mercado imobiliário, a UNKN trabalha com vários clientes em Vale de Lobo e Quinta do Lago, como a Vendici Properties ou a Sun Ha Villas & Resorts.

«Os nossos clientes gostam muito deste serviço porque, no Verão, as casas costumam estar alugadas e, por vezes, é impossível fazer visitas. Além disto, quem aluga a casa também pode logo ver o que vai encontrar, navegando pela casa», diz o fundador da UNKN.

No ramo hoteleiro, foram feitos trabalhos com o Pine Cliffs Resort ou na promoção do Centro de Congressos do Algarve, em Vilamoura.

«O que fizemos foi proporcionar a, quem quiser, uma visita a esse novo Centro de Congressos de forma virtual e obter informações sobre os espaços», explicou.

Marcos Soares fala com orgulho do trabalho que faz e não hesita em afirmar que «o futuro dos dois setores passa por este tipo de soluções». Mas nem sempre foi fácil.

«Nos últimos anos, batalhei muito. Quando apresentava a ferramenta, diziam-me que era muito inovadora para o mercado. A partir do momento em que o Facebook passou a permitir a integração de fotografias em 360º, a opinião começou a mudar. As redes sociais fizeram a evangelização por nós, o que foi bom», confessa ao Sul Informação.

 

 

Com escritório no centro empresarial do CRIA – Divisão de Empreendedorismo e Transferência de Tecnologia da Universidade do Algarve, em Gambelas, o fundador da UNKN realça o «importante» apoio da academia algarvia.

«A minha ligação à Universidade do Algarve é curiosa. Fui aluno de Turismo, frequentei um mestrado em Gestão de Empresas e agora estou a tirar uma nova licenciatura em Engenharia Eletrónica. O CRIA tem sido importante na empresa e o espaço foi-nos facultado pelo interesse que a Universidade tem no desenvolvimento de novas soluções tecnológicas e pelo apoio que dá», diz.

Os principais clientes da UNKN são do Algarve, mas a empresa também já tem feitos trabalhos em Lisboa. «Estamos à procura de parcerias com empresas consolidadas que trabalhem com hotéis que nos ajudem a fazer as pontes», explica.

Na opinião de Marcos Soares, esta é uma ferramenta que vai ser cada vez mais utilizada pela hotelaria. «Estivemos na BTL (Bolsa de Turismo de Lisboa), onde fizemos vários contactos com hotéis que se mostraram interessados. No futuro, quem não usar esta possibilidade das visitas virtuais pode dar a entender que dá a esconder algo», considera.

Além disto, há outro ponto a explorar pela UNKN. «No Algarve, não conheço mais ninguém que faça este trabalho, em termos da animação 3D e de tantas soluções integradas. Também pegando nisso, no futuro, só queremos é continuar a crescer», conclui.

 

 

 

Fotos: Rodrigo Damasceno | Sul Informação

 

Comentários

pub
pub