“A Minha Praia” já recolheu cerca de 500 quilos de lixo

Projeto termina em Julho de 2019

O projeto “A Minha Praia” já recolheu cerca de meia tonelada de lixo, envolvendo cerca de 280 alunos.

Depois de cinco meses de existência, o projeto “A Minha Praia” mobilizou vários alunos de todo o Algarve para recolher lixo marinho nas seis praias referenciadas na região.

Durante a primeira época, que decorreu de 15 de Setembro a 15 de Outubro, realizaram-se sete campanhas nas praias de Monte Gordo (Vila Real de Santo António), Barril (Tavira), Ilha de Faro, Pescadores (Albufeira), Meia Praia (Lagos) e Mareta (Vila do Bispo), nas quais foram envolvidos cerca de 280 participantes do 1º ao 11º ano de escolaridade, provenientes de oito escolas provenientes dos concelhos de Albufeira, Faro, Lagos, Loulé, Tavira, Vila do Bispo e Vila Real de Santo António.

«Recolheu-se cerca de meia tonelada de lixo, composta por 4761 itens de vários materiais, tamanhos e origens», explica o Centro Ciência Viva (CCV) de Tavira.

Segundo este CCV, «registou-se a presença de 91 categorias diferentes de lixo marinho, das quais 35 são plástico e as restantes classificam-se como borracha, parafinas, papel, madeira, têxtil, metal, vidro, cerâmica e artigos médicos e sanitários».

O projeto “A Minha Praia” foi um dos vencedores do Orçamento Participativo Portugal (OPP) de 2017 e é coordenado pelo Centro Ciência Viva de Tavira, que se associou ao Centro Ciência Viva do Algarve e ao Centro Ciência Viva de Lagos para criar uma rede de monitorização do lixo marinho ao longo da costa do Algarve.

Cada Centro Ciência Viva está responsável por realizar diversas ações de monitorização do lixo marinho nas praias referenciadas que se encontrem dentro do seu alcance geográfico.

Estas ações de monitorização seguem a metodologia proposta e padronizada pela Convenção OSPAR (Convenção para a Proteção do Meio Marinho do Atlântico Nordeste), que é o atual instrumento legislativo que regula a cooperação internacional em matéria de proteção ambiental no Atlântico Nordeste e da qual Portugal é signatário desde 1992.

Este projeto conta também com a parceria de várias entidades de cariz ambiental, científico, institucional e turístico, de âmbito regional e nacional, nomeadamente as associações ambientais Straw Patrol e A Rocha, o Centro de Ciências do Mar (CCMar) da Universidade do Algarve, a Agência Portuguesa do Ambiente – Administração da Região Hidrográfica do Algarve (APA/ARH-Algarve), e o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), vários municípios algarvios e o empreendimento Pedras d’El-Rei.

Ao participarem nestas campanhas de monitorização e recolha de lixo marinho, os alunos algarvios de vários anos letivos são sensibilizados para a problemática do lixo marinho e suas crescentes consequências ambientais, económicas e sociais.

As campanhas também os levam a praticar o conceito de “ciência cidadã”, pois com os registos obtidos sobre quantidades, tipos e sazonalidade do lixo encontrado, dão o seu contributo para análises e estudos de âmbito nacional e internacional sobre a permanência de lixo nas costas portuguesas e europeias.

A monitorização e recolha de lixo marinho nestas praias prolonga-se até Julho de 2019, data de conclusão do projeto, com campanhas distribuídas por mais três épocas (Inverno, Primavera e Verão), que são retomadas já durante a segunda semana de Janeiro.

Comentários

pub
pub