Carlos Fiolhais sugere livros de ciência para o Natal

São doze livros, que surgem (exceto um) pela ordem do apelido do autor

Depositphotos

Apresento aqui a minha seleção de livros de ciência publicados em Portugal para o Natal de 2018:

Almeida, Onésimo Teotónio, O Século dos Prodígios. A Ciência no Portugal da Expansão (Quetzal).
O professor da Universidade Brown fala, neste volume, com o rinoceronte de Duerer, na capa, dos Descobrimentos lusos num tempo em que a palavra “Descobrimentos” se tornou maldita, defendendo a tese de que eles foram o prelúdio da Revolução Científica.

Atkins, Peter, Como surgiu o Universo. As origens das leis naturais (Gradiva).
O químico da Universidade de Oxford, que é um consagrado pedagogo, aventura-se aqui pelos mistérios do início do Universo, sustentando que talvez não tenha sido nada de muito especial.
Para ele, Deus não foi necessário no momento da criação.

Bernardo, Luís Miguel, Visão, Olhos e Crenças (Gradiva).
Da autoria de um físico da Universidade do Porto, trata-se de uma história do nosso conhecimento da visão, no mundo e em Portugal, não esquecendo as lendas que imperam no saber popular.

Buescu, Jorge, Curvas Ideais, Relações Desconhecidas e Outras Histórias da Matemática (Gradiva).
O autor, matemático da Universidade de Lisboa, delicia-nos em mais um volume seu da coleção “Ciência Aberta” (é o seu sexto volume) com surpreendentes questões matemáticas.
O químico e crítico de arte Jorge Calado escreveu um sedutor prefácio para a sexta destas obras.

Franco, José Eduardo (coord.), Dicionário dos Antis (Imprensa Nacional – Casa da Moeda).
É um original dicionário em dois espessos volumes, em tiragem limitada, em que todas as entradas começam por “anti.”
Com um “antiprefácio” do jurista António Araújo, é, pela amplitude e qualidade da edição, um dos grandes lançamentos do ano.
Só algumas entradas se referem à ciência, mas a ciência aparece aqui, como deve ser, integrada na cultura.

Hawking, Stephen, Breves respostas às grandes perguntas (Planeta).
Com prefácio do ator Edie Redmayne que fez de Hawking em “Teoria de tudo” e introdução de Kip Thorne, Prémio Nobel da Física de 2017, o livro foi deixado inacabado pelo autor.
A filha Lucy Hawking, que escreve um posfácio, ajudou a completá-lo com respostas já antes dadas por Hawking.
Não tem nada de muito novo, mas é mais um escrito do inigualável Hawking.

Kaku, Michio, O Futuro da Humanidade (Bizâncio).
O famoso físico teórico norte-americano de origem japonesa faz futurologia neste seu tão interessante livro, que se soma a outros seus sobre o futuro.
O subtítulo é sugestivo: “Terraformação de Marte, Viagens interestelares, Imortalidade e o nosso destino para lá da Terra.”

Patrão Neves, Maria do Céu e Carvalho, Maria da Graça (coords.), Ética Aplicada, vol. XII, Investigação Científica (Edições 70).
A professora da Universidade dos Açores especialista em Ética e a assessora da Comissão Europeia que já foi responsável pela pasta da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, fazem neste volume coletivo uma introdução às questões éticas ligadas à ciência, o que interessa sobremaneira num mundo confrontado com desafios tremendos, como os da inteligência artificial e da genómica.

Piedade, António, Íris Científica 5 (ed. autor).
Quinto volume de crónicas sobre ciência da autoria de um bioquímico que, com o projeto “Ciência na Imprensa Regional – Ciência Viva,” e com mais uma bem-sucedida temporada “Ciência às Seis” no Rómulo – Centro Ciência Viva da Universidade de Coimbra, se tornou um dos mais conhecidos divulgadores de ciência em Portugal.

Sapolsky, Robert M., Comportamento. A biologia humana no nosso melhor e pior (temas e Debates / Círculo de Leitores).
O professor de Biologia e Neurologia da Universidade de Stanford passa em revista, num grande volume, as bases biológicas do comportamento humano.

Wilson, Edward O., Homo Creator. O Génio e a perversidade da espécie que dominou o mundo (Clube de Autor).
O eminente autor da sociobiologia, vencedor de dois prémios Pulitzer, fala aqui do essencial da natureza humana.

Finalmente, se me é permitido a auto-citação, sugiro ainda a “entrevista de vida” que o jornalista e escritor José Jorge Letria me fez para a coleção “O Fio da Memória”, da editora Guerra e Paz, com o título A arte de criar paixão pela ciência.

Boas leituras!

 

Autor: Carlos Fiolhais é professor de Física na Universidade de Coimbra
Ciência na Imprensa Regional – Ciência Viva

Comentários

pub
pub