O FICA veio para ficar…e para ser replicado

Projeto que garantiu Férias Inclusivas a crianças e jovens deficientes terminou em festa. Mas agora há que lutar pela sua continuação

O grupo de jovens e crianças participantes nas Férias Inclusivas para a Comunidade Algarvia, com os animadores

O João pediu a palavra e agradeceu, em seu nome e nos seus companheiros de dois meses, as férias diferentes que tiveram. «Gostei de ir à praia, de conversar com a Inês, de estar nestas atividades. Foi muito divertido!», garantiu. João foi um dos 16 jovens e crianças do concelho de Portimão que, de 16 de Julho a 14 de Setembro, participaram no projeto FICA – Férias Inclusivas para a Comunidade Algarvia, promovido pela associação Teia d’Impulsos.

Ao longo de dois intensos meses, este grupo de jovens com multideficiência pôde dançar, fazer ioga e meditação, experimentar a cerâmica, fazer vela, ir ao cabeleireiro, andar na passerelle, visitar a Quinta Pedagógica, cozinhar, fazer expressão plástica, psicomotora e dramática. «Eles tiveram férias, alguns pela primeira vez em muitos anos, e os seus cuidadores também», resumiu Cândida Pereira, técnica da associação Teia d’Impulsos responsável pelo projeto, em declarações ao Sul Informação.

«Uma das meninas, a Ciza, há onze anos que não ia à praia e por isso foi uma alegria poder proporcionar-lhe isso», recordou a psicóloga Isabel Quirino, uma das voluntárias deste projeto.

A ideia de promover férias para crianças e jovens com vários tipos de deficiência partiu «de um pedido de ajuda dos pais do concelho de Portimão, que não tinham resposta para os seus filhos», explicou Cândida Pereira. «Estes miúdos não podem ficar sozinhos em casa, nem os pais podem deixar de trabalhar para os acompanhar no Verão». Muitas vezes, até vivem só com a mãe, sendo famílias monoparentais, o que ainda complica mais a situação.

Esta «primeira temporada» do FICA contou com 16 jovens inscritos, «mas há muitos mais miúdos em casa, que não apareceram aqui. E nós queremos chegar a todos eles», apelou Cândida Pereira.

A Ciza foi pela primeira vez à praia após onze anos longe do mar

Em Portimão, não há (ainda) um Centro de Atividades Ocupacionais (CAO) que possa acolher estes miúdos e o problema agudiza-se nas férias de Verão, quando nem as escolas os podem receber. Foi assim que se pensou em organizar um campo de férias, estabelecendo uma ponte com a Escola Secundária Poeta António Aleixo, que até tem «a estrutura montada, com casas de banho adaptadas, por exemplo».

Para promover este primeiro projeto, que contou com o apoio financeiro da Câmara Municipal de Portimão e logístico do Agrupamento de Escolas Poeta António Aleixo, bem como das Juntas de Freguesia de Alvor e Portimão, a Teia d’Impulsos contratou quatro animadores – a Elisabete, o Vitor, a Inês e a Rosângela –, mas contou ainda com o trabalho de voluntários.

Na passada sexta-feira, na festa de encerramento do projeto, Teresa Mendes, vereadora da Câmara de Portimão e com experiência nestas questões por ter sido diretora de um agrupamento de escolas, fez questão de agradecer aos voluntários e aos animadores, «por terem proporcionado estes dois meses de férias a estes jovens, que vos retribuem com muitos sorrisos».

A festa teve lugar no espaço Raiz, a antiga escola da Pedra Mourinha que é agora a sede da Teia d’Impulsos, com a presença dos jovens, dos seus pais e outros familiares, dos técnicos e dirigentes da associação, de autarcas e voluntários.

Dirce, mãe da Bia, uma das jovens participantes, garantiu que a sua filha teve «este ano, umas férias espetaculares!»

«A minha filha já não está na escola, porque atingiu os 18 anos. Eu sou professora, mas há um ano que estou em casa, abdiquei de lecionar para poder estar com a minha filha. Mas era bom que este espaço espetacular da Teia pudesse transformar-se num CAO, para que a minha filha e outros como ela pudessem ser mais acompanhados», disse ainda.

Luís Brito, presidente da Teia d’Impulsos, lembrou que «a associação já se reuniu com a Segurança Social, mas, para poder criar um CAO, há uma série de requisitos, em termos de instalações e de recursos humanos, que ainda não estão reunidos».

A vereadora Teresa Mendes garantiu que autarquia e associação estão «a trabalhar para que o projeto tenha continuidade». E, acrescentou, enquanto não há condições para o CAO, o objetivo é que se mantenha o Ateliê de Tempos Livres (ATL), para que os jovens com multideficiência continuem a ter um local onde conviver e desenvolver atividades.

Os ceramistas e professores Francisco Copeto e Paula Sousa Faria foram dois dos voluntários que trabalharam, de forma generosa e gratuita, ao longo dos dois meses, com o grupo de 16 jovens. «Apesar de eu já ter, na minha atividade profissional, contacto com jovens com alguma deficiência, esta foi uma experiência muito enriquecedora», contou Francisco Copeto.

Paula Faria lembrou que «por muito que, nas escolas, se fale disso, a verdadeira inclusão não existe. Mas aqui eu fiz questão de trazer as minhas filhas a todas as atividades que tive com este grupo. Isso é a verdadeira inclusão. E elas adoraram!»

Para Francisco Copeto, o «ideal» seria que estas «atividades adaptadas, que fizemos com o barro, pudessem continuar ao longo do ano, de forma mais regular. Trabalhar as expressões plásticas destes miúdos é muito importante».

Na festa, os ceramistas fizeram questão de entregar a cada um dos seus alunos especiais as peças de barro que tinham produzido no ateliê, depois de cozidas no forno. E foi vê-los de sorriso aberto, cheios de orgulho, a mostrar aos pais e amigos as suas pequenas obras de arte.

A alegria de receber as peças de barro feitas no ateliê de cerâmica

Os quatro animadores contratados pela Teia d’Impulsos também recordam, já com saudade, estes dois meses de trabalho intenso. Dos quatro animadores, pelo menos um deixará de colaborar com a Teia: é o Vítor, que vai para Coimbra estudar. Mas as restantes três, se tudo correr bem, poderão vir a ser de novo contratadas, para o tal ATL que a associação quer criar, uma espécie de antecâmara para o almejado Centro de Atividades Ocupacionais.

«Foi uma experiência fantástica, nós ganhámos mais do que demos», garantiu, em declarações ao Sul Informação, a jovem animadora Inês. «Cada sorriso, cada abraço foram como medalhas para nós», reforçou Rosângela.

«Houve pais que nos disseram que os filhos evoluíram muito nestes dois meses, na fala e na mobilidade. E que eles acordavam todos os dias ansiosos por vir ter connosco», acrescentou Elisabete.

O presidente da Teia d’Impulsos, uma associação habituada a conseguir o impossível, lembrou que este projeto «foi montado numa semana e pouco» e provou «que se pode fazer uma coisa magnífica», com poucos meios mas muita vontade.

«Há muitas famílias que não têm com quem deixar os filhos, sobretudo depois de eles completarem os 18 anos e já não poderem ir para a escola. A Ciza e o Cris, por exemplo, vão sair da escola por limite de idade, e as mães não têm agora onde os deixar. É isto que nos fez criar este projeto único no Algarve e que nos faz agora querer continuar», salientou Isabel Quirino, uma das voluntárias e mentoras do FICA.

Custódio Moreno, diretor regional do Instituto Português da Juventude e do Desporto, lembrou o protocolo que o seu organismo vai assinar com a Teia d’Impulsos para o desporto adaptado e garantiu que, em relação ao ATL e ao CAO, «havemos de encontrar uma solução».

Aquele responsável mostrou-se muito sensibilizado com o projeto e sublinhou que se trata de «uma experiência que é importante que tenha continuidade e seja replicada noutros sítios».

«Este projeto vai ter que continuar seja como for!», frisou Luís Brito. «Durante todo o ano, é importante que estas famílias tenham apoio. É um desafio que eu vos lanço, mas eu sou o primeiro a ir para a fila, para trabalhar por isso», concluiu o presidente da Teia d’Impulsos.

 

 

 

A Teia d’Impulsos está a tentar chegar a todas as famílias com crianças e jovens deficientes. Se estiver nessa situação, pode contactar a associação:

Teia d’Impulsos
Espaço Raiz – Rua Francisco Daniel, 8500-797 Portimão
Contactos: 910174814 | 966467870
www.teiadimpulsos.pt

 

 

Comentários

pub
pub