Linda Martini vêm a Loulé apresentar “Linda Martini”

Os Linda Martini vão subir ao palco do Cine-Teatro Louletano esta sexta-feira, 9 de Março, às 21h30, para apresentar o […]

Os Linda Martini vão subir ao palco do Cine-Teatro Louletano esta sexta-feira, 9 de Março, às 21h30, para apresentar o álbum “Linda Martini”, o seu quinto longa duração, num aguardado regresso ao Algarve.

«O disco vai ser tocado na íntegra, mas tem 41 minutos, por isso vamos tocar mais músicas. Vamos tocar um pouco de todos os discos. A apresentação em palco e o desenho de luz é completamente novo em relação ao que foi feito no “Sirumba”», revela Hélio Morais, vocalista e guitarrista da banda ao MusicáliaSul Informação.

Lançar um disco homónimo ao quinto trabalho gera alguma estranheza e muitas perguntas, mas a explicação é bem simples: «a intenção não era fazer um disco homónimo. Decidimos usar na capa uma foto de uma rapariga italiana que nos “emprestou” o nome em 2003. Foi tirada em 2014, num casamento de amigos comuns, e só fazia sentido usá-la se o álbum fosse homónimo», afirma o músico.

Em quase todas as entrevistas esta é uma questão constante, já que, com 15 anos de existência, a banda poderia ter usado a data para uma reflexão ou uma introspeção da carreira. «A partir da altura em que dás o nome da banda ao álbum, aproveitas para encontrar uma explicação engraçada para isso e aí começas a pensar na tua carreira e no número de discos que já editaste e no que esses discos significam. Mas a única explicação verdadeira e séria é que o nome surgiu por causa da foto».

O disco foi composto em dois retiros: um em Amares, no Minho, em Novembro de 2016, e o segundo na Serra da Arrábida, em Julho de 2017, e foi gravado na Catalunha no final do ano.

Apesar da dedicação de todos os membros à banda, com as profissões de cada um a possibilitarem uma “elasticidade“ de horários, era essencial para o resultado final que houvesse um período em que o grupo se concentrasse em compor.

«O facto de termos mais tempo livre para dedicarmos à banda, não se refletia em tempo de ensaio juntos. Então decidimos fazer estes retiros de sete dias, não mais, para perdermos o foco. Foi muito importante condensar tudo nestes dias, de uma vez só, para nos focarmos na coisa, foi o que fizemos e correu muito bem», explica Hélio Morais.

A gravação foi feita na Catalunha, entre Outubro e Novembro do ano passado, com Santi Garcia, o produtor pretendido, com quem já tinham trabalhado na mistura e masterização de “Olhos de Mongol”, de 2006, e “Marsupial”, de 2008. «Neste disco decidimos arriscar um pouco mais e como queríamos um álbum mais cru no som e abrasivo, pesquisámos produtores que percebessem não só o que fazemos hoje em dia, mas também o nosso passado do punk-hardcore. O objetivo era que conseguissem trazer esse feeling para o disco, sendo que o resultado final não é punk nem hardcore. O nome do Santi foi o mais consensual».

Os Linda Martini são compostos por André Henriques (voz, guitarra), Cláudia Guerreiro (baixo), Hélio Morais (bateria) e Pedro Geraldes (guitarra).

Os preços para este espetáculo variam entre os 8 euros (para maiores de 65 e menores de 30 anos) e os dez euros, sendo que o desconto de Cartão de Amigo também é aplicável.

 

Comentários

pub
pub