Vila do Bispo promove Maratona Astro-Arqueológica nos seus Menires

A rara sequência de eventos astronómicos –  Equinócio de Outono, Lua Cheia de Outono, Super Lua, Pôr-do-Sol Equinocial, Eclipse Total da Lua – […]

maratona astro arqueologicaA rara sequência de eventos astronómicos –  Equinócio de Outono, Lua Cheia de Outono, Super Lua, Pôr-do-Sol Equinocial, Eclipse Total da Lua – motiva, no dia 27 de Setembro, a primeira Maratona Astro-Arqueológica nos Menires de Vila do Bispo.

Entre as 19 horas de dia 27 e as 4 horas da madrugada de 28, haverá um vasto programa de atividades, que integrará culturalmente esses raros eventos astronómicos numa perspetiva arqueológica, histórica e etnográfica.

«No calendário civil, o próximo dia 27 de setembro coincide com uma sequência de eventos astronómicos que, ao longo da História da Humanidade, têm vindo a determinar uma série de interessantes correspondências culturais, entre as quais propomos integrar o fenómeno megalítico, ou seja, alguns dos nossos menires de Vila do Bispo», explica o arqueólogo Ricardo Soares, da Câmara de Vila do Bispo.

O programa começa às 15h00, no Centro de Interpretação de Vila do Bispo, com a apresentação de alguns resultados do projeto de investigação «ArqueoAstronomia Paisagística no Megalitismo Menírico de  Vila do Bispo vs interfluvial Bensafrim-Odiáxere» e contextualização do simbolismo das Luas Cheias Equinociais e, em particular, da sequência astronómica.

Às 18h00, segue-se um passeio até Hortas do Tabual, para, junto de alguns menires, observar o nascimento da Lua Cheia de Outono (19h11) e o ocaso do Sol equinocial (19h23), «cujo simbolismo admitimos ter sido integrado na seleção dos locais onde alguns dos menires foram erguidos».

Menir da Pedra escorregadia
Menir da Pedra escorregadia

«Pela noite, vamos fazer um percurso megalítico entre os menires da Pedra Escorregadia, Monte dos Amantes e Cerro do Camacho (Vila do Bispo) para observação das decorações simbólicas neles inscritas, com recurso a iluminação dirigida».

O passeio noturno começa às 21h30, culminando às 23h00 com observações astronómicas com equipamento ótico – «um intemporal teatro mitológico projetado no imenso palco celeste».

Já na madrugada do dia 28, os resistentes são convidados a assistir ao eclipse total da Lua, que terá lugar entre as 2h07 e 4h23…

Esta iniciativa insere-se no âmbito das Jornadas Europeias do Património 2015 e resulta dos projetos de investigação “Carta Arqueológica do Concelho de Vila do Bispo” (Ricardo Soares, CMVB, 2014-2015) e “ArqueoAstronomia Paisagística no Megalitismo Menírico de  Vila do Bispo vs interfluvial Bensafrim-Odiáxere”, este último da iniciativa do engenheiro eletrotécnico Fernando Pimenta, membro da Sociedade Europeia para a Astronomia na Cultura, e de Ricardo Soares, arqueólogo da Câmara Municipal de Vila do Bispo.

 

Carta Arqueológica e ArqueoAstronomia Paisagística

Menir de Vila do Bispo
Menir de Vila do Bispo

Os menires do concelho de Vila do Bispo e da área interfluvial Bensafrim-Odiáxere localizam-se numa região onde a ocupação atribuível ao Neolítico antigo evidencia algumas características que a diferenciam de outros contextos de menires, nomeadamente presentes no vizinho Alentejo Central.

Se, por um lado, os menires de Vila do Bispo contrariam lógicas estimadas para outros blocos regionais, como a «particularidade de se encontrarem tendencialmente associados à implantação de povoamentos pré-históricos», por outro, ainda não são conhecidos rituais funerários que possam ser relacionados, «eventualmente latentes em contextos de gruta».

Ainda que muito fragmentados e fora do contexto, no concelho de Vila do Bispo, numa área de pouco mais de 42 quilómetros quadrados, foram referenciados cerca de 250 menires  – o que é apontado pelos responsáveis pela investigação como «o vértice de um imenso e em parte perdido “iceberg” de pedra!»

«Trata-se de uma resistente e significativa amostra, de grande consistência material, morfológica e decorativa. Porém, o facto de grande parte destes menires se encontrarem derrubados, fragmentados e deslocados do original local de implantação condiciona bastante o seu estudo», explicam.

No âmbito do projeto de investigação –  ArqueoAstronomia Paisagística no Megalitismo Menírico de  Vila do Bispo vs interfluvial Bensafrim-Odiáxere – foi aplicada uma metodologia de análise estatística e geográfica da implantação, distribuição e orientação global na paisagem da atual localização dos menires.

Este estudo preliminar foi desenvolvido com o objetivo de avaliar até que ponto esta abordagem poderia revelar padrões entre as áreas megalíticas de Vila do Bispo e do interfluvial Bensafrim-Odiáxere, justificando a eventual continuidade da investigação com um programa mais ambicioso.

Os resultados preliminares da metodologia aplicada serão apresentados no Centro de Interpretação de Vila do Bispo, pelas 15 horas do próximo dia 27 de setembro.

Serão divididos por três temas e discutidos à luz de algumas possíveis interpretações: Padrão espacial de ocupação do território; Análise topográfica local: elevação, declive e azimute de declive máximo; Análise topográfica do horizonte: direção para o pico distante mais elevado, perfil da distância ao horizonte em função do azimute e marcas no horizonte em função da declinação.

Apesar das limitações com que este estudo foi desenvolvido, nomeadamente a utilização de um modelo digital de terreno com uma quadrícula de 90 x 90 metros, com as imprecisões conhecidas, localizações não totalmente confirmadas e classificação incompleta das gravuras, os resultados mostraram «padrões surpreendentes, motivando-nos a desenvolver esforços no sentido de alargar a área do estudo, melhorar as ferramentas de análise, complementar a base de dados atualizando as respetivas localizações e caraterísticas, prosseguir pistas para a identificação de povoados e explorar contextos cavernícolas na busca de indícios das práticas funerárias daquelas populações».

«Algumas recentes descobertas, resultantes de prospeções arqueológicas desenvolvidas entre 2014-2015 no âmbito do projeto Carta Arqueológica do Concelho de Vila do Bispo, depois de aprofundadas, podem vir a contribuir significativamente para a construção de uma narrativa mais completa e coerente sobre a Revolução Neolítica e o fenómeno megalítico na região do Barlavento Algarvio – uma monumental herança cultural», salienta o arqueólogo Ricardo Soares.

 

Informações e contactos: Centro de Interpretação de Vila do Bispo | Ricardo Soares – 966 616 527, patrimonio.historico@cm-viladobispo.pt

 

Comentários

pub
pub