pub
Imprimir

«Garraiada» que já não ia decorrer causa grande polémica em Faro

A «Garraiada» da Receção ao Caloiro da Associação Académica da Universidade do Algarve, que se devia realizar esta quarta-feira, esteve envolta em polémica, mas nunca chegou sequer ao pedido de licenciamento.

Tanto a AAUAlg, como o presidente da autarquia, confirmam que tudo não passou de uma intenção, nunca formalizada, apesar de constar do programa do evento. Os estudantes também frisaram que a iniciativa nada tinha que ver com uma tourada, não envolvendo derramamento de sangue.

Segundo a Associação Académica, «foram iniciadas as diligências necessárias para criar condições legais para o referido evento, tendo em especial atenção o cuidado pela seleção da empresa que iria transportar as vacas e com as questões do respetivo licenciamento».

«Contudo, não estando todas as condições reunidas, a AAUALG não entrou sequer com qualquer pedido formal junto da Autarquia para o licenciamento do evento», acrescentou.

O presidente da Câmara de Faro Macário Correia confirmou ao Sul Informação que nunca houve pedido de licenciamento. «Quando me apercebi que isso estava agendado, falei com eles [dirigentes da AAUAlg], que acharam por bem não avançar, dada a polémica que envolve o tema», referiu.

Elogiando a postura do presidente da AAUAlg Pedro Barros, que considerou ser «uma pessoa muito aberta e interessada em fazer a aproximação dos estudantes à cidade», Macário Correia adiantou, ainda assim, que «se tivesse sido feito o pedido, não o autorizava, por ser um assunto controverso».

Quanto ao facto de ter autorizado espetáculos tauromáquicos enquanto presidente da Câmara de Tavira, Macário Correia assegurou que foram «mínimos». «Houve muitos que desaconselhei a fazer. Aprovei alguns de caráter lúdico, mas de sangue muito poucos», referiu. «Tinha, de resto, um acordo com a associação para a diminuição dos mesmos», revelou.

A AAUAlg, por seu lado, frisou que este é um espetáculo de características lúdicas, «que promove o espírito de união e entreajuda entre os caloiros e os seus académicos, não contendo qualquer “crime” de sangue para com os animais eventualmente utilizados, pois a “Garraiada” não é uma Tourada».

«Assim, a AAUALG repudia as declarações das associações de Defesa do Animais, em virtude de nunca antes terem tido a coragem de contactar diretamente a Associação Académica ou os seus dirigentes, realizando juízos de valor sobre pessoas e instituições sem qualquer tipo de fundamento», rematou.

 

Defensores e detratores das touradas também já se pronunciaram

As notícias que vieram ontem a lume sobre uma decisão do presidente da Câmara de Faro de proibir a realização de uma Garraiada no concelho foram bem recebidas pelas associações anti-tourada. Mas a reação dos que apoiam esta tradição não se fez esperar, com a associação Prótoiro a acusar o autarca de procurar protagonismo, numa altura em que se arrisca a perder o mandato.

Segundo o jornal “i”, que cita um comunicado que lhe foi enviado pela associação pró-tourada, esta acusa Macário Correia de «sobrepor-se à liberdade» dos munícipes, que «deixará de representar». «A Prótoiro repudia veementemente este ataque à liberdade dos cidadãos, neste caso estudantes, de poderem usufruir de uma manifestação cultural tauromáquica de caráter popular, tão enraizada nas nossas comunidades estudantis», disse ainda a associação.

Comentários

pub