Demolido o muro ilegal de 30 metros no Farol

Demolição decorreu sem contestação

O muro de betão, com cerca de 30 metros de comprimento e construído ilegalmente no núcleo do Farol da ilha da Culatra, em Faro, foi demolido esta sexta-feira, 6 de Dezembro. 

José Pacheco, presidente da Sociedade Polis Litoral da Ria Formosa e diretor da Agência Portuguesa do Ambiente (APA) no Algarve, confirmou, em declarações ao Sul Informação, que a demolição ocorreu hoje.

Segundo este responsável, foi a APA quem solicitou à Polis, entidade que até vai ser extinta no final deste ano, que procedesse à remoção do muro.

Isto porque aquela é uma zona onde se aplica o Plano de Ordenamento da Orla Costeira (POOC) do Sotavento, sendo, por isso, a jurisdição da Agência Portuguesa do Ambiente.

 

 

Os trabalhos, garantiu José Pacheco, «decorreram sem problemas nem contestação». Desde o início das diligências, que terminaram hoje com a demolição, também não foram recebidas «quaisquer queixas» da parte dos ilhéus. Quanto ao autor da obra, ainda está por identificar.

O Sul Informação sabe que, quando se começou a partir o muro, verificou-se que havia muito lixo, misturado com o betão, para fazer uma estrutura mais pesada. Desde frigoríficos, grelhas e até mastros de barcos, tudo serviu para ajudar a erguer este muro, construído ilegalmente.

Esta estrutura tinha cerca de 30 metros de comprimento, metro e meio de largura e meio metro de altura, a poucos passos da Ria Formosa, em pleno Parque Natural, numa situação denunciada pelo nosso jornal, em Outubro deste ano.

O objetivo do muro seria servir como uma espécie de enrocamento para a proteção das casas.

 

Fotos: Elisabete Rodrigues | Sul Informação

 

Comentários

pub
pub