«Em princípio, será possível» ter passes a 40 euros no Algarve

Autarcas algarvios devem aprovar medida a 18 de Abril

Foto: Fabiana Saboya|Sul Informação

A redução do preço dos passes no Algarve para um valor máximo de 40 euros está a ser estudada e, «em princípio, será possível». A proposta foi apresentada pelo social-democrata Rogério Bacalhau, na última reunião da AMAL – Comunidade Intermunicipal do Algarve, a maioria dos autarcas concordou e estão a ser feitas reuniões com as operadoras de transportes para avaliar a sua viabilidade.

Em comunicado, o PSD Algarve explica que a proposta apresentada prevê que, no âmbito da aplicação do programa de redução de tarifários de passes sociais, «nenhum algarvio fique sujeito à flagrante injustiça, de pagar mais de 40 euros, tal como se verifica em Lisboa e Porto».

«Nenhum algarvio vai pagar mais de 40 euros de passe, seja qual for o percurso que faça. Esse é o resultado desta proposta», que já tinha sido tinha sido defendida anteriormente pelos sociais-democratas.

No entanto, Jorge Botelho, presidente da AMAL, explicou ao Sul Informação que ainda «há dois cenários» em cima da mesa.

«Na reunião que fizemos em Março, tínhamos decidido começar a trabalhar na proposta de redução de 50% do preço dos passes. Esta proposta foi aprovada também por autarcas do PSD. No entanto, na última reunião que tivemos, o presidente da Câmara de Faro fez a proposta de seguirmos a linha nacional, para que o valor máximo do passe, em qualquer circunstância, fosse de 40 euros e esse cenário foi o mais votado. Agora, estamos a trabalhar nessa possibilidade, a estudar e a avaliar», explica o autarca de Tavira, eleito pelo PS.

Segundo Jorge Botelho, «em princípio, será possível» essa redução, «mas isso tem que ser alvo de uma deliberação dos presidentes de Câmara que acontecerá muito brevemente, em princípio no dia 18».

Para já, o que existe é uma «instrução de trabalho para fundamentar o cenário, para que os presidentes de Câmara possam decidir em termos de verbas e distribuição do dinheiro como será feito». Além disso, ficou ainda decidido que «o secretário executivo e a equipa da AMAL trabalhem junto dos operadores de transportes», para que, quando a deliberação dos autarcas for feita tenha «o acordo das operadoras».

Jorge Botelho | Foto: Fabiana Saboya | Sul Informação

Nesta altura «ainda não há uma decisão tomada» e «os dois cenários estão em avaliação. Claro que vemos com maior gosto os 40 euros, mas não tenho a proposta aprovada», acrescenta Jorge Botelho.

Para o PSD, a proposta inicial aprovada em Março «permitiria que da aplicação do programa subsistissem passes sociais com valores próximos dos 100 euros», um facto que «traduzia um indesejável incentivo à não adesão a este regime e a uma discriminatória aplicação do mesmo, impondo a muitos algarvios um ónus considerável nas suas deslocações».

Os sociais-democratas garantem que a proposta agora apresentada de redução para 40 euros, no máximo, dos passes de transportes públicos «não acarreta qualquer aumento de custos, apenas a redistribuição dos 900 mil euros entregues pelo Governo», algo que é corroborado por Jorge Botelho.

Ainda que a proposta seja aprovada, o PSD Algarve considera também «que são necessárias mais medidas, já que a rede é deficitária, os transportes públicos insuficientes e desarticulados, por vezes até inexistentes, sem investimento que incentive o seu uso, como é o caso da ferrovia com mais de 1000 supressões de comboios em 2018».

Por isso, os sociais-democratas algarvios apelam ao Governo promova «maior justiça e equidade social e territorial, de modo a que se supram as maiores diferenças e caminhemos para a igualdade de acesso e oportunidade de um serviço essencial para as populações».

Comentários

pub
pub